3 de agosto de 2013 às 19h25min - Por Mário Flávio

_MG_9533

Paralelo à realização da Conferência Municipal da Saúde, a prefeitura de Caruaru também realizou no sábado (03) a I Conferência de Promoção de Igualdade Étnico-Racial. Como primeiro evento do tipo realizado na cidade, esse encontro debate a construção de um Plano Municipal e um Conselho Municipal voltados para este tema, com o objetivo de desenvolver politicas públicas que defendam segmentos étnicos.

No contexto

Na Conferência Étnico-Racial, Louise Caroline critica: “Caruaru passa, ou tenta passar, a impressão de que é uma cidade de brancos”

Presidida pela Secretária Especial da Mulher, Elba Ravane, o foco da conferência foi destacar ações efetivas de políticas públicas. “Essa conferência visa sistematizar ações de participação política para garantir a eficácia de mecanismos que promovam a igualdade étnico-racial”, discursou Elba.

Além disso, o prefeito Zé Queiroz adotou mais uma vez um discurso de aliar teoria à prática. “Tudo isso é excelente como ferramenta e reforça nossa luta pela política de participação. Não basta na teoria, nem as reuniões, nem as propostas. Mais que isso, é preciso a prática. A população quer ver soluções. Isso é o que o poder público vem fazendo, para que nossa administração seja participativa e abra o diálogo com esses segmentos. Mas esses segmentos também devem Ainda está presente, mas é reagindo dando grito, perguntando por Amarildo, que vamos alcançar”, ressaltou o prefeito.

Já o assessor da Secretaria Executiva do Comitê Estadual de Promoção da Igualdade Étnico-Racial, Luís de Ogodó, defendeu que é preciso discutir constantemente os limites da discriminação. “Nessa conferência, espero que sejam escolhidos aqueles que ocuparão espaços de avanço e ocupação, pois as conquistas já foram realizadas por aqueles e aquelas que nos antecederam, nossos ancestrais. Essa luta de hoje é quase secular. Mas, o preconceito leva a um debate de grande complexidade, pois deve-se questionar se o preconceito começa do branco, ou também parte de forma internalizada dos próprios componentes de segmentos étnicos”, explicou.

Por sua vez, coordenadora da Rede de Mulheres de Terreiro,Vera Baroni, expôs três sugestões para o prefeito. “É importante colocar outros negros e negras nos espaços de gestão, é importante também integrar as gestões à política nacional de saúde integral da população negra. Proponho também que nos concursos públicos do município, a temática racial seja contida, para que os estigmas sejam quebrados”, solicitou.

Segundo o próprio prefeito, não haveria dificuldade de alcançar esses objetivos. “Nem precisa incluir esses itens na pauta de propostas, é só dizer que já são conquistas da conferência”, completou Queiroz. Ao final da Conferência, foram eleitos delegados titulares e apresentadas mais de 30 propostas municipais, que serão encimhadas à etapa regional da Conferência de Igualdade Étnico-Racial, neste domingo (4).


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro