1 de agosto de 2012 às 22h45min - Por Mário Flávio

Foi divulgada hoje no Recife a Análise Ceplan, um estudo de conjuntura da Ceplan Consultoria Econômica e Planejamento, divulgado trimestralmente. O estudo, que chega à décima edição mostra a evolução socioeconômica de duas Regiões de Desenvolvimento de Pernambuco que crescem acima da média do Estado, do Nordeste e do Brasil: o Agreste Central e o Agreste Setentrional. A situação revela um contraste que existe na Capital do Agreste.

De acordo com dados pesquisados, a cidade de Caruaru forma um polo urbano com serviços e indústrias que atraem cada vez mais pessoas e novos negócios, e junto a Santa Cruz do Capibaribe revela a força dos micro e pequenos negócios de confecções. Nestas duas cidades, o PIB cresce acima da média estadual, regional e nacional. No período entre 2000 e 2009, o aumento para o Brasil foi de 3,2%, para o Nordeste, de 3,6%, para Pernambuco, de 3,5% enquanto o Agreste Central cresceu 4,1% e o Setentrional, 3,8%. Os resultados são também auspiciosos com relação ao PIB per capita que se elevou em 3,0% no Central, e de 2,8% no Setentrional, superando as médias do Brasil de 1,9%, do Nordeste e de Pernambuco, ambas de 2,4%.

A tradicional informalidade dos polos do Agreste, especialmente no setor de confecções, vem sendo contornada pela formalização do emprego. Entre 2000 e 2010, o emprego formal cresceu 9,2% no Agreste Setentrional e 9,1% no Central. Um dos reflexos do fortalecimento econômico destas RDs é o valor do repasse do ICMS estadual. Caruaru lidera o ranking, com o repasse de R$ 44 milhões em 2010. O segundo lugar é de Belo Jardim, com R$13,2 milhões, ambos municípios do Agreste Central. No Agreste Setentrional, a liderança é de Santa Cruz do Capibaribe, com R$ 7,7 milhões.

Mas o desenvolvimento econômico ainda não propiciou retorno social significativo para a população. Nas duas RDs, a média de domicílios vivendo abaixo da linha da pobreza é de 48%. Deste percentual, quase 20% vive na linha de indigência, ganhando até ¼ do salário mínimo. O analfabetismo também é alto, na média de 25%, contra 17,5% em todo o Estado. Nas RDs estudadas, quase 70% da população de 10 anos ou mais se declara sem instrução ou tem o ensino fundamental incompleto. A Análise Ceplan mostra ainda que estas regiões conseguiram melhorar seu perfil de desenvolvimento humano com impulso na área de saneamento, representado pelo aumento da rede de esgotos e de sanitários. Houve avanços na área social, mas os indicadores ainda se mantêm em patamares desafiadores.

Os dados revelam que existe muito a ser feito no Agreste, em especial na cidade de Caruaru, que passa por um boom de desenvolvimento, mas revela dados preocupantes na periferia, sem dúvidas um desafio a mais para os futuros gestores, que devem analisar os números desse estudo, para que situações de melhorias sejam colocadas num futuro governo. Por outro lado, o estudo comprova que o desenvolvimento da economia estadual não está localizado apenas na Região Metropolitana do Recife, onde o Complexo Industrial e Portuário de Suape concentra grandes investimentos estruturadores.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro