2 de janeiro de 2012 às 23h38min - Por Mário Flávio

O primeiro dia do ano revela uma das preocupações para o ano eleitoral: a falta de segurança. Só hoje, três pessoas foram assassinadas na Capital do Agreste, todas com indícios de forte violência, com a execução sendo a hipótese mais provável para os três crimes, segundo a polícia. O último assassinato ocorreu no Centro da cidade e num local bastante movimentado, o que deixa a população de Caruaru temerosa, sobre o futuro da cidade.

Com esse saldo no primeiro dia do ano, a população deve cobrar dos políticos e coligações, a inclusão de programas efetivos no combate a violência. Não basta apenas entrar no discurso que esse tipo de obrigação é apenas do governo de Pernambuco. Tal situação deve ser encarada pelo município e ter participação direta, mesmo que seja em parceria com as esferas estadual e federal. Foram três pessoas que perderam a vida e famílias destruídas. O que dizer nesse momento?

Os planos de governo dos candidatos devem passar do campos das ideias e do marketing. É necessário que os mesmos contenham soluções para que o povo sinta a segurança presente. Recentemente o governador Eduardo Campos esteve em Caruaru e disse que a imprensa deveria fiscalizar a saúde. Mas temos que ir mais além, cobrar programas que realmente não sejam meramente ilustrativos e que de nada servirão para os mais de 314 mil habitantes, que vivem hoje na Capital do Forró.

O dia 01 de janeiro serve como alerta para que os políticos possam debater a segurança de forma séria. Não cabe mais a promessa pela promessa. O município vive uma série de investimentos, cresce mais que o Estado, mas faltam ações que garantam a segurança do cidadão. Claro, algo já foi feito, mas ainda estamos longe do ideal, e para que o município siga com toda essa pujança, precisamos de programas eficazes, é o que esperamos das coligações, quando o assunto é segurança pública. Vamos cobrar.

TRIBUNAL DE CONTAS – Tereza Duere assumiu ontem à presidência do Tribunal de Contas do Estado. Ela é a primeira mulher a ocupar o posto. A posse dela foi muito prestigiada e o governador Eduardo Campos rasgou elogios para a nova presidenta, que era só alegria entre os presentes.

A LEI JÁ VALE – Desde o domingo (1) que estão valendo regras do ano eleitoral. A partir de agora todas as pesquisas devem obrigatoriedade ter registro no TRE, bem como estão proibidas distribuição gratuita de bens, valores ou benefícios por parte da administração pública e a vedação de programas sociais executados por entidade nominalmente vinculada a candidato ou mantida por ele. Esse cronograma foi definido no ano passado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e está disponível no site do órgão.

MPPE DE OLHO – O Ministério Público de Pernambuco expediu recomendação, através do promotor de Justiça Lúcio Luiz de Almeida Neto, para os municípios de Afogados da Ingazeira e Iguaracy. O objetivo do documento é recomendar aos prefeitos das duas cidades que se abstenham de fazer referências pessoais ou de terceiros nos atos, programas, obras, serviços e campanhas da Prefeitura Municipal. É mais uma ação para coibir a propaganda eleitoral antecipada.

NOVO MÍNIMO – Desde o dia primeiro, o novo salário mínimo do brasileiro passou a ser 622 reais. Um aumento real (descontada a inflação estimada para 2011) de 9,2% em relação ao valor anterior, de 545 reais. O acréscimo deverá colocar em circulação na economia, só neste ano, mais de 47 bilhões e gerar 22,9 bilhões de incremento na arrecadação tributária, segundo estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

EM IMACULADA – O vereador Rogério Meneses está na cidade de Imaculada/PB. Ele passou a virada na casa da mãe e fica por lá até a próxima sexta. O petista transferiu o domicílio eleitoral para a cidade paraibana e vai concorrer à prefeitura na eleição desse ano. O ex-presidente da Câmara tem forte aceitação na cidade e segue com boas chances de vencer o pleito.

QUEIROZ RECLAMA – Em entrevista a TV Criativa, o prefeito Zé Queiroz chiou sobre o valor devolvido pelo presidente da Câmara, Lícius Cavalcanti. O pedetista devolveu cerca de 200 mil reais, no último dia 31. Queiroz disse era pouco e citou a economia feita por Rogério Meneses, que quando era presidente da Câmara, chegou a devolver num único ano, quase um milhão de reais.

JUSTIFICATIVA – O presidente Lícius disse várias vezes que não concordava com a devolução de dinheiro. Ele usou cerca de 400 mil reais para reestruturar a Câmara. Comprou carro e motos novos, computadores e realiza uma ampla reforma na Câmara. Ele ainda solicitou ao Chefe do Executivo, que cerca de 100 mil reais sejam doados ao Central, para ajudar na montagem da equipe.

PEPINO – Com o pedido, o prefeito Zé Queiroz fica numa sinuca de bico. Se não atender ao pedido de Lícius, ele vai arrumar encrenca com todos os centralinos. A resposta do prefeito sobre a doação do dinheiro ao Central deve sair nos próximos dias. Vamos acompanhar e informar a todos por aqui.

RELAÇÃO – As declarações de Queiroz sobre a devolução do dinheiro e o pedido de Lícius para doar os 100 mil reais ao Central, só devem piorar o clima entre os chefes dos dois Poderes. Os dois não se bicam desde a eleição de Lícius para à presidência da Câmara e mesmo com todas as afirmações sobre a unidade da Frente Popular em 2012, a distância entre o Palácio Jaime Nejaym e a Casa Jornalista José Carlos Florêncio só aumenta.

 

 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro