7 de dezembro de 2011 às 23h33min - Por Mário Flávio

Nesta quarta (7) completa exatamente um ano que o prefeito Zé Queiroz assinou um decreto para desapropriar o terreno onde seria construída a nova Câmara Municipal. Após esse período e muitos desentendimentos entre os poderes Executivo e Legislativo, o impasse continua e nada foi resolvido.

Todos ganhariam com a Câmara saindo do Centro da cidade, já que a atual sede tem problemas na estrutura, sem local adequado para estacionar, possui um plenário minúsculo para a importância da Casa Legislativa e uma série de problemas, que se transformam em dor de cabeça para qualquer gestor.

Além de todas as situações citadas, o poder público gasta por mês, cerca de 4 mil reais com o aluguel de parte do prédio. Uma decisão sensata deveria ser tomada pelos dois poderes, que evitam o diálogo e já poderiam ter resolvido o caso. Quem perde com a indefinição? O povo, é claro.

Caso a nova sede fosse construída, o local onde funciona a Câmara poderia ser reaproveitado e ser usado em benefício da maioria. Resta agora esperar pelos próximos capítulos de uma novela que parece não ter fim.

DENGUE – Na próxima semana a prefeitura de Caruaru apresenta em coletiva de imprensa os bons resultados obtidos no combate a dengue. São números animadores e que mostram o controle de uma das doenças mais perigosas do verão.

MURIÇOCA – Se a redução no número de casos de dengue é motivo de comemoração o mesmo não pode ser dito em relação as muriçocas. A cidade está infestada do inseto, que incomoda muito.

REPERCUSSÃO – Ainda repercute muito na imprensa as declarações do vice-governador João Lyra. Ele afirmou que Zé Queiroz tem problemas no quesito avaliação e deu uma sacudida na Frente Popular. Os aliados em Caruaru preferiram evitar polemizar e o silêncio reinou na Capital do Forró.

PACTO – Os vereadores Lícius Cavalcanti, Rogério Meneses e Dr. Demóstenes têm um pacto. Os três votam juntos e compartilham do mesmo ponto de vista. Criaram mais uma bancada, a qual Lícius chama de Independente.

SUCESSO – A confraternização do governador Eduardo Campos com a imprensa reuniu a nata do jornalismo de Pernambuco. O evento ocorreu no Jardim do Palácio.

CALO – O vereador Val segue com a sua atuação firme para tentar desgastar a imagem do prefeito Zé Queiroz. Ele articulou a oposição para ironizar com um bolo, a passagem de um ano da assinatura do decreto para a compra do terreno para a Câmara.

E O LAUDO? A prefeitura alega que a culpa do terreno não ter sido desapropriado é da Câmara, que não teria apresentado um laudo, que segundo o secretário de comunicação, Aquiles Lopes, é necessário para esse tipo de trâmite.

SEM PREVISÃO – Com o impasse entre os dois poderes, os donos do terreno seguem com a propriedade parada. Nem recebem o dinheiro da prefeitura e não podem vender. Na época da negociação inicial, o espaço foi vendido por 300 mil reais. Hoje, os donos só entregam por meio milhão. Mais confusão a vista.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro