21 de dezembro de 2011 às 05h44min - Por Mário Flávio

Uma sessão pra lá de quente. Assim podemos definir a reunião ordinária noite passada na Casa Jornalista José Carlos Florêncio. Após cerca de 40 minutos de críticas da oposição, reforçadas pelo fogo amigo de Ranilson Enfermeiro, o vereador Zé Ailton usou á Tribuna e partiu pra cima de Val e Diogo Cantarelli. Em dado momento do discurso, o pedetista se referiu ao tucano e o chamou de “vampiro”, segundo Zé Ailton, devido “as práticas de Cantarelli na Legislatura passada”.

No grande expediente, o tucano reagiu e disse que por pouco Zé Ailton não estava cotó, já que segundo Diogo, o ex-líder do governo na Câmara, não cumpriu uma antiga promessa: “No passado, Vossa excelência veio aqui e disse que se votasse em Zé Queiroz, poderiam arrancar suas mãos”. A insinuação de Diogo foi uma alusão ao rompimento de Zé Queiroz e João Lyra, na década de 1990, quando o grupo ficou dividido e Zé Ailton virou oposição a Queiroz.

Após a declaração, Zé Ailton usou mais uma vez os microfones para negar tal afirmativa. “Isso não é verdade, nunca disse isso. Sou homem de palavra e quando digo uma coisa seguro. Agora o seu passado e seus atos refletem no seu tamanho”, disparou Zé + Zé, como gosta de ser chamado. Cantarelli minimizou as declarações e no fim da Sessão, com um abraço, os vereadores fumaram o cachimbo da paz. A relação de ambos é o tempo todo entre tapas e beijos.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro