24 de fevereiro de 2014 às 23h23min - Por Mário Flávio

O lançamento da candidatura de Paulo Câmara ao governo de Pernambuco pelo PSB revela que a campanha já começou. O socialista não tinha nem sido confirmado pela Frente Popular e o seu provável adversário, Armando Monteiro Neto, já concedia uma entrevista numa rádio do Recife e soltava cobras e lagartos contra o governador Eduardo Campos e o seu ungido. No discurso, Campos não deixou por menos e disse que os adversários já estavam em desespero.

As declarações revelam que teremos uma campanha quente, após quatro eleições de muito marasmo é com vitórias esmagadoras dos últimos eleitos. O amplo leque de partidos montados pela Frente Popular para dar sustentação a Câmara, vai ter como foco a renovação na política e a aposta no discurso do novo, com técnicos no comando da máquina para que ela ande de forma enxuta e eficaz, um discurso que não agrada a todos os políticos.

E esse vai ser um dos motes de Armando. Um aliado do senador fez a seguinte indagação hoje: “Será que o único que pode governar que é político é Eduardo?”. Essa ideia será amplamente debatida pelos aliados do trabalhista, que seguem com várias pulgas atrás da orelha para provocar Câmara nos debates que devem vir com o andamento da campanha.

Outra questão que deve provocar muito debate vai ser a presença dos dois líderes de cada bloco. Qual vai ser o envolvimento de Lula e Eduardo Campos na campanha em Pernambuco? O tempo e as pesquisas dirão. Tudo vai depender da eleição para à presidência da República. Se Eduardo decolar não vai ter tanta atenção com o aliado aqui no Estado e Lula vai ter que dar apoio a Dilma. Caso contrário, o jogo pode se inverter e Lula cai em campo aqui para devolver a derrota de 2012 na prefeitura do Recife. O ano promete.

PRESENÇAS – Quase todas as lideranças de Caruaru estavam presentes no ato de lançamento da candidatura de Paulo Câmara ao governo de Pernambuco. O prefeito Zé Queiroz, o deputado federal Wolney Queiroz, o vice-prefeito Jorge Gomes, o presidente do PSD, Adolfo José e as deputadas Laura Gomes e Raquel Lyra foram prestigiar o evento num hotel em boa viagem. Todos vibrando bastante com a indicação do governador.

AUSÊNCIA – O deputado estadual Tony Gel e a ex-deputada Miriam Lacerda não foram ao evento de lançamento da candidatura da Frente Popular. Os dois eram aguardados, já que o PMDB foi contemplado com a indicação de Raul Henry para a vaga de vice. Nas redes sociais o ex-prefeito de Caruaru preferiu repercutir a delicada situação na Venezuela. Gel já avisou que não sobe no mesmo palanque que o prefeito Zé Queiroz é que vai montar estrutura própria para dar apoio a Câmara.

CHATEADO – O vice-governador João Lyra estava com cara de poucos amigos no lançamento da candidatura de Paulo Câmara. Político de grupo, João foi para evitar um vexame na candidatura do PSB, mas nem os afagos de todos que falaram animaram o vice. Ele falou apenas com um jornalista na saída do hotel e deve se pronunciar nos próximos dias sobre a sucessão e como vai ser montado o governo dele.

SAÍDA – Após o evento os ungidos de Eduardo e o próprio governador deixaram rapidamente o auditoria do hotel onde foi realizado o lançamento da candidatura do PSB. A estratégia foi clara e evitar perguntas sobre João Lyra. Todos saíram pela tangente e não quiseram muito papo com os jornalistas presentes, que sofreram o pão que o diabo amassou para trabalhar no local sem a mínima estrutura.

DISCURSO – Alguns pontos dos discursos chamam atenção. Raul Henry foi muito bem e fez uma justa homenagem a Jarbas Vasconcelos, que acabou sendo aplaudido de pé por todos. Sem muita paciência, o senador ficou de braços cruzados e não deu muita bola não, bem ao estilo dele. A bola fora de Raul foi dizer que o governo do PT não fez nada em obras de estrutura. O discurso radical não cai bem em quem busca pelo novo na política.

DISCURSO 2 – O ex-ministro da Integração Nacional fez um discurso longo e disse que vai ser o senador das águas. Fez menção especial a João Lyra garantiu que deixou de lado questões pessoais em nome do projeto do PSB. Todos sabiam que ele queria mesmo era sair candidato a governador. No entanto, fez uma fala entusiasmada para mostrar que todos estão juntos e misturados para andar o estado inteiro ao lado de Paulo Câmara.

DISCURSO 3 – Quando usou a fala o governador Eduardo Campos pode ter o discurso destacado em três etapas. A primeira foi o morde e assopra no PT. Bateu pesado no governo Dilma e rasgou elogios para o ex-presidente Lula. Continuou e se emocionou ao falar de Miguel Arraes, dizendo que foi ungido pelo avô e honrou com os mandatos a frente do governo de Pernambuco. Por fim, fez menção a João Lyra a quem chamou de aliado e disse que vai estar a disposição, caso ele precise a partir de 5 de abril, quando vai renunciar o mandato.

DISCURSO 4 – Por fim, falou o candidato a governador Paulo Câmara. O socialista ainda não tem muita intimidade com os microfones e assume uma enorme responsabilidade diante de um palanque tão amplo e com políticos qualificados. Ele teve um discurso bem parecido com o do prefeito Geraldo Júlio e garantiu que vai percorrer todas as regiões de Pernambuco em busca de votos. A oposição já pega no pé e diz que nenhuma proposta foi apresentada no momento do lançamento.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro