4 de janeiro de 2021 às 08h55min - Por Mário Flávio
Fachada do Supremo Tribunal Federal. Brasilia, 26-10-2018. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

Os que avaliam o trabalho do STF (Supremo Tribunal Federal) como “ruim/péssimo” passaram de 29%, em outubro, para 35% em dezembro. Os números são de pesquisa PoderData.

Eram 48% os que diziam que a atuação da Corte era “regular”. Agora, são 44%. As avaliações “ótimo/bom” passaram de 20% para 16%. Nos 2 casos, a oscilação ficou no limite da margem de erro da pesquisa, de 2 pontos percentuais. Isso significa que é muito provável que o movimento detectado pela pesquisa esteja certo, mas não é possível cravar.

A pesquisa foi realizada pelo PoderDatadivisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 21 a 23.dez.2020, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 470 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

NOS ESTRATOS

O segmento da população com renda mais alta, acima de 10 salários mínimos, é o mais crítico à atuação do STF. Nele, 70% disseram ser “ruim/péssimo” o trabalho do Tribunal na pesquisa de dezembro.

Os homens são mais críticos ao desempenho da Corte que as mulheres. Entre eles, 50% disseram que é “ruim/péssimo”, 34% classificaram como “regular”, e 13%, como “ótimo/bom”.

Entre as mulheres, 21% avaliaram o trabalho do Supremo como “ruim/péssimo”, enquanto 52% disseram ser “regular”, e 18%, “ótimo/bom”.

Os mais jovens foram os que mais atribuíram avaliação negativa ao trabalho do STF. Na faixa de 16 a 24 anos, 41% disseram que o trabalho do Tribunal é “ruim/péssimo”, 50% afirmaram ser “regular”, e 6%, “ótimo/bom”.

Os que estudaram menos atribuíram menos avaliações negativas ao Supremo. No grupo que interrompeu os estudos no ensino fundamental, 29% disseram que é “ruim/péssimo” o trabalho da Corte.

SUPREMO X BOLSONARO

As avaliações negativas sobre o STF foram mais comuns entre os que consideram o trabalho de Jair Bolsonaro à frente da Presidência da República “ótimo/bom”.

Nesse grupo, 50% atribuíram “ruim/péssimo” ao Supremo, 37% disseram que o trabalho da Corte é “regular” e 11%, “ótimo/bom”.

Bolsonaro teve diversos atritos com o STF ao longo de 2020. Tramita na Corte, por exemplo, o controverso inquérito das fake news, que investiga apoiadores do presidente.

Uma das mais famosas militantes bolsonaristas, Sara Winter, chegou a dizer que queria “trocar socos” com o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito.

O próprio Bolsonaro também é alvo de um inquérito em tramitação no Supremo. Trata das acusações do ex-ministro Sergio Moro de que o presidente tentou interferir na Polícia Federal. O caso também está sob a relatoria de Alexandre de Moraes.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro