28 de dezembro de 2013 às 07h25min - Por Mário Flávio

Apresentação da Operação Ponto Final from Johnny Pequeno

Depois das coletivas de imprensa da Polícia Civil e outra com os próprios vereadores investigados na Operação Ponto Final em Caruaru, na tarde dessa sexta (27), a Secretaria de Defesa Social liberou para a imprensa a apresentação com dados do Inquérito Investigativo, que apura um possível esquema de concussão – quando pessoas tentam obter vantagens devido à função que exercem – para votar projetos na Câmara Municipal, envolvendo 10 parlamentares. A Polícia Civil também aponta que eles estariam envolvidos em corrupção passiva e integrariam uma organização criminosa.

Foram cumpridos 10 mandados de prisão preventiva, 13 mandados de busca e apreensão, 37 depoimentos e 756 horas de interceptarão telefônica, além de captação de áudio e vídeo. São Mais de 500 páginas de inquérito policial. Os vereadores investigados são: Sivaldo Oliveira (PP), Cecílio Pedro (PTB), Val das Rendeiras (PROS) e Pastor Jadiel (PROS) e seis da oposição – Val (DEM), Louro do Juá (SDD), Eduardo Cantarelli (SDD), Jajá (PPS), Neto (PMN) e Evandro Silva (PMDB).

Cada vereador poderia pegar até 56 anos de prisão, indiciados duas vezes por concussão, duas vezes por corrupção passiva, e por integrarem organização criminosa. A exceção ficaria para Sivaldo e Cecílio, que pegariam 28 anos cada um, por serem indiciados uma vez por concussão e uma vez por corrupção passiva. O caso de Jadiel também é particular, já que ele cooperou com a polícia durante a prisão preventiva, mas também será investigado sobre as circunstâncias do empréstimo de R$ 30 mil. Eles são investigados por tentar obter vantagens em razão de suas funções, na votação de projetos, principalmente o que prevê a criação do sistema Bus Rapid Transport (BRT).


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro