11 de fevereiro de 2012 às 01h20min - Por Mário Flávio

Na segunda-feira (06) a população de Caruaru foi pega de surpresa com o anúncio, por meio de panfletos, sobre de mudanças no trânsito do perímetro urbano da BR 104. Na terça-feira (07)  a Presidenta do DER, Eryka Luna veio à Cidade e em entrevistas informou que alteração começaria a valer a partir das 7h da quarta-feira (08). O trecho entre o Palladium e a Rodoviária de Caruaru iria ficar em uma única via. Na quarta, as emissoras de TV foram ao local e nenhuma mudança havia ocorrido. Procurada pelas emissoras, a assessoria de imprensa do órgão, enviou nota e disse que as mudanças iriam ser realizadas às 13h. O problema é que faltava toda sinalização para orientar os motoristas, como placas e a instalação de semáforos, por exemplo.

Devido a falta de uma ação planejada e principalmente falhas na comunicação com o Comitê Gestor, presidido pelo prefeito Zé Queiroz (PDT), a mudança foi mais uma vez adiada e começou nessa quinta (10).  Após a interdição dos viadutos, o caos foi instalado na BR e trafegar pelo local ficou inviável. O prejuízo foi para todos, motoristas ficaram insatisfeitos, motociclistas estressados, as linhas de ônibus atrasaram e os pedestres entregues a própria sorte.

Essa afirmação sobre os pedestres não é nenhum exagero. A obra tem viadutos que dividiram a cidade em duas partes, com um paredão pra lá de contestável e isolou o lado norte da cidade. Voltando aos pedestres, em todo esse trecho, até o momento, só se tem conhecimento da  construção de uma passarela, próximo ao viaduto da Rua Preta. Os demais moradores terão que passar somente por baixo dos viadutos? O sábado deve ser mais uma dor de cabeça para quem for usar a BR, principalmente na parte da manhã, quando a movimentação é intensa e na terça, dia de feira da Sulanca?

Esse tipo de problema poderia ser evitado se houvesse planejamento por parte do DER, o que não é de se espantar, já que na apresentação dos detalhes da obra, na sede do Comitê Gestor, os representantes do órgão quando questionados pela imprensa deixaram claro que as adequações seriam feitas conforme a  necessidade fosse aparecendo. Isso mesmo, essa foi a resposta.

Sem contar as várias reportagens de TV mostrando a agonia para atravessar de um lado para o outro da rodovia a cada mudança no trânsito ou desvio feito. Parece que esqueceram que Caruaru é dividida pela BR 104, a travessia é constante e além de uma via expressa de alta velocidade, é preciso sim pensar  na segurança do pedestre. Sabemos que muita gente é atropelada à sombra das passarelas, mas a obrigação do Estado é construí-las, saber o que vai ser feito com elas, vai da consciência de cada um.

Vale a pena lembrar que uma obra desse porte deveria contar com trabalhadores em três turnos e na noite dessa quinta, ninguém estava de plantão. Será que os 40 dias previstos pelo DER para concluir a conexão entre os viadutos, será realmente cumprido, assim como não foram os prazos dados até o momento para o término da obra? A grande preocupação é o trânsito na segunda e terça, dia da realização da Feira da Sulanca. Não vou aqui nem citar a fiscalização pela PRF, que conta com um efetivo pequeno para esse tipo de ação. A população e nós da imprensa esperamos por uma explicação convincente do DER ou do Comitê Gestor da obra, que não se pronuncia desde o anúncio da mudança no trânsito.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro