9 de janeiro de 2013 às 15h18min - Por Mário Flávio
Moreno de Azevedo

Moreno garante que acusações da prefeitura são inverídias – Foto: Blog do Adriano Monteiro

Desde que Thiago Nunes (PDT) assumiu a prefeitura de Agrestina no início de janeiro, a assessoria de comunicação da nova gestão tem enviado uma série de informações que indicam que a administração teria sido repassada sem amparo de uma equipe de transição e que a nova equipe de governo teria encontrado patrimônios públicas danificados e secretarias sem estrutura de funcionamento. Entretanto, Moreno de Azevedo, ex-secretário da Administração e filho da ex-prefeita Carmem Miriam (PT), rebateu severamente as acusações feitas pela nova gestão e garantiu que a prefeitura foi entregue prestando todos os serviços públicos de forma adequada.

No contexto

Agrestina – Prefeito assume com prédios públicos abandonados e sem estrutura

“Essas informações são totalmente inverídicas. Nenhuma está com a verdade, Agrestina foi um dos municípios que honrou com todos os serviços prestados à população. Eles disseram que nós não estávamos realizando o serviço de coleta de lixo, mas de outubro a dezembro nós enviamos 900 toneladas de lixo ao Aterro Sanitário e temos um relatório que comprova isso. Com relação a dizer que houve rombo nas contas da prefeitura, o único valor que foi deixado foi de R$ 16.403,00. Referente à folha de pagamento, nenhum fornecedor ficou sem receber. todos receberam em dia e inclusive receberam o 13º em novembro. Na verdade, também realizamos o pagamento da parte patronal, que nem seria responsabilidade nossa já que o prazo de vencimento desse valor é no dia 20 de janeiro. Já no que se refere à entrega da chave da prefeitura,  o próprio Ministério Público foi informado de que a nova administração não queria realizar a transição de governo. E ais, eles citam que deixamos os salários atrasados,  mas se tivéssemos feito isso, não teríamos nem como pagar a parte patronal, então essas informações não fazem sentido”, rebateu Moreno.

Ainda segundo o ex-secretário, foi montado uma comissão de transição para amparar a nova equipe de governo, da qual Moreno era coordenador, mas a nova gestão teria colocado empecilhos para que a transição fosse realizada adequadamente. “Eles só foram a uma reunião de comissão de transição de governo, e depois houve informações de que eles haviam impedido que houvesse novas reuniões. Eu era coordenador da comissão, enquanto Dr. Golbery fez parte da equipe de transição deles”, salientou. Além disso, Moreno também ressaltou que o governo passado deixou uma série de convênios para execução de investimentos em 2013. “Em convênios, foram deixados R$ 11 milhões com previsão para 2013 e 3 milhões já em execução, ou seja, o que dá um total de R$ 14 milhões. São recursos voltados para saneamento, educação e infraestrutra em geral. Aliás, a prefeita ao assumir em 2009, encontrou um déficit milionário na prefeitura, mas pagou pouco mais de 1 milhão e 600 mil, deixando em crédito de R$ de 700 mil”, continuou.

Para Moreno, a nova administração é que teria deixado de prestar alguns serviços adequados no início de 2013, de propósito. “Ele deixou de fazer a coleta de lixo no início desse mês,para poder regulamentar um decreto de emergência par ao município, o que prevê a facilidade de realizar licitações emergenciais, sem tramitação burocrática. Eu acho que a intenção em divulgar essas informações na imprensa seja essa. Mas eu, inclusive, deixo claro que, se o prefeito quiser ficar frente a frente para debater essas informações, estamos à disposição”, completou, desafiando o prefeito eleito.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro