23 de abril de 2015 às 19h59min - Por Mário Flávio

A falta de chuvas e a perspectiva de precipitações abaixo da média na região do Agreste pernambucano motivaram a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) a alterar o calendário de abastecimento das 15 cidades abastecidas pelo Sistema Jucazinho. Atualmente, o nível da barragem está em 7,8% de sua capacidade, o que corresponde a 25 milhões de metros cúbicos de água. No mesmo período do ano passado, a barragem de Jucazinho localizada em Surubim estava com 30%, ou seja, 100 milhões de m3. “Decidimos ser transparentes, avisar à população sobre a gravidade da situação e ao mesmo tempo pedir o seu apoio para a necessidade do uso racional da água. Estamos mudando o calendário de abastecimento com o objetivo de preservar o manancial, evitando que entre em colapso”, explicou o presidente da Compesa Roberto Tavares.

O anúncio foi feito durante entrevista coletiva nesta quinta, 23, em Caruaru. O novo calendário terá início no dia primeiro de maio e deverá ficar em vigor, no mínimo, pelos próximos quatro meses.  “Estamos enfrentando pelo quarto ano consecutivo de seca, a pior dos últimos 50 anos, e vamos tentar essa sobrevida para a barragem, mas precisamos do apoio da população para usar a água de maneira racional, pois, por enquanto, não há indicativo de melhoria”, afirmou o Diretor da Compesa no Interior, Leonardo Selva.

A cidade de Caruaru, com mais de 300 mil habitantes, terá um calendário de específico: 40% da cidade ficará 3 dias com água e 4 sem; 60% da cidade terá 4 dias com água e 3 sem água. Já em Santa Cruz do Capibaribe que tem o calendário mais rigoroso de distribuição, a ideia da Compesa é realizar um estudo para readequação do abastecimento. “Hoje são 28 dias sem água. A ideia é ficar entre 10 e 15 dias”, explicou Leonardo Selva.

Segundo o presidente da Compesa Roberto Tavares, além de tomar a medida emergencial para preservar a barragem, a Companhia também precisa concluir  a obra estruturadora para a região, a Adutora do Agreste, que vai garantir o abastecimento pelos próximos 30 anos. Ainda de acordo com o presidente, a obra está num ritmo lento pela ausência de um cronograma de desembolso financeiro por parte do Governo Federal para tocar a maior obra hídrica do País. Até o momento já foram implantados 250 km de adutora na primeira etapa, onde já foram aplicados R$ 450 milhões de um total de R$ 1,3 bilhões. “Já estivemos cinco vezes no Ministério da Integração este ano tentando a pactuação dos recursos restantes, mas o Ministério da Fazenda ainda não deu essa autorização. Iremos, novamente, propor um cronograma mais leve para que possamos dar ritmo á obra e regularizar uma dívida de 30 milhões desse empreendimento”. O presidente informou que a Compesa está apta a conveniar a segunda etapa da Adutora do Agreste, mas que ainda não há previsão para isso.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro