6 de dezembro de 2012 às 12h16min - Por Mário Flávio

Há alguns dias o Blog publicou que, após a  ratificação de Vanuccio Pimentel como presidente do diretório municipal do PT em Caruaru, a tendência Democracia Socialista (DS), representados por militantes como Adilson Lira e Luiz Costa, teria. No entanto, não demorou para que Adilson, que é coordenador estadual da DS,  reagisse contra a matéria e reforçasse que o movimento não passa por um momento de enfraquecimento político.

No contexto

Tendência Democracia Socialista fica isolada no PT de Caruaru

Tendência petista DS manterá influência durante mandato de Jadiel na Câmara

Entrevista – Fernando Ferro lamenta: “Nós governamos Recife e esquecemos as eleições no interior”

“Antecipo que a matéria deixa a entender e é um equívoco, que não estávamos com a Frente Popular e não apoiamos o prefeito Queiroz. Não é verdade. Quero lembrar a você que em Caruaru, nós da DS fomos a primeira voz no PT a definir o apoio ao prefeito reeleito, José Queiroz (PDT). E fizemos isso porque entendíamos, acertadamente, que era o caminho natural para a manutenção de uma aliança que não começa e termina em Caruaru, ao contrário, passa por Caruaru, pelo Estado de Pernambuco e chega à União Federal, com o apoio à Presidenta Dilma (PT)”, explicou Adilson, em nota ao blog.

ANÁLISE

Anteriormente, o blog lembrou, em análise, que a DS sempre esteve junta a MAIS, comandada por Louire Caroline na Capital do Agreste, e perdeu as eleições anteriores para o grupo de Rogério, Mensagem ao Partido.  Nos últimos dois anos, depois de uma série de novas articulações, a tendência aproximou os laços com o Jadiel Nascimento, que foi eleito vereador nestas eleições, pelo PRTB, recebendo inclusive apoio do deputado federal Fernando Ferro.  De fato, é perceptível que o grupo terá um relativo espaço de articulação junto à atuação parlamentar de Jadiel a partir de 2013.

O grupo trouxe para o PT, a contragosto da maioria dos diretorianos, José Carlos Menezes e Eduardo Guerra. De início, a ideia era focar o nome de José Carlos para que o mesmo fosse candidato a vereador. No entanto, ele nunca demostrou interesse claro e iria ser derrotado na convenção do partido. O grupo então partiu para o apoio ao nome de Eduardo Guerra, mas houve desentendimentos e a ruptura com o ex-comunista. Enquanto tudo isso acontecia, houve a união entre os grupos de Rogério Meneses e Louise Caroline, pelo menos na eleição, ambos concordaram em apoiar o nome de Hérlon Cavalcanti para vereador.

Hérlon não venceu, mas os laços com os liderados por Rogério foram intensificados e culminaram com a eleição de Vanuccio por unanimidade, no sábado, 01 de dezembro. Foi quando, aliás, a DS tentou entregar uma carta de desfiliação de José Carlos Menezes, e só assim, evitaram o vexame da expulsão. O petista Adilson Lira não compareceu a eleição, posição também tomada por Rogério Meneses.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro