8 de janeiro de 2016 às 07h19min - Por Mário Flávio

marina1-580x388

A ex-senadora Marina Silva (Rede) disse em entrevista à Rádio Gaúcha (Porto Alegre) nesta quinta-feira (7) que a saída menos ruim para o Brasil na atualidade é cassação dos mandatos de Dilma Rousseff e Michel Temer, pelo Tribunal Superior Eleitoral, para que se realizem novas eleições no prazo de 90 dias.

Ela disse também que não considera “golpe” o processo de impeachment contra a presidente, que tramita na Câmara Federal porque esse mecanismo institucional está previsto na Constituição. “Impeachment não é golpe. Está previsto na Constituição, foi feito contra Collor, foi pedido pelo PT várias vezes e eles achavam que não era golpe”, disse a ex-senadora.

Ela afirmou também que não ainda não sabe se disputará ou não a Presidência da República pela terceira vez (em 2018) porque ainda guarda muita mágoa das críticas que sofreu dos adversários nas eleições passadas.

“Diziam que se eu ganhasse a eleição o governo não teria maioria no Congresso e hoje a presidente não tem maioria. Diziam que, se eu ganhasse, eu iria tirar alimentos das pessoas pobres e isso ocorre com a inflação que atinge a mesa dos brasileiros. Diziam que, se eu ganhasse, iria acabar com Pronatec e Prouni e isso o atual governo está fazendo. As pessoas projetam em você aquilo que de fato vão fazer”, disse a ex-senadora.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro