17 de fevereiro de 2013 às 20h35min - Por Mário Flávio

Um fim de semana para lamentar… Assim podemos definir o que houve após as eliminações de Sport e Santa Cruz da Copa do Nordeste. O que se viu foram cenas de barbárie que sempre se repetem quando os times vão mau das pernas dentro de campo. No sábado, antes do jogo entre e Náutico e Central, o estudante Lucas de Freitas Lyra, de 19 anos, foi baleado em frente ao estádio dos Aflitos. Ele foi vítima de uma briga entre a torcida Fanáutico e Jovem. O estudante permanece internado no Hospital da Restauração. Ele passou uma por uma cirurgia e por volta das 23h foi transferido para a Unidade de Suporte Avançado Neurológico (USAN) do hospital e segue em estado gravíssimo.

No domingo com a derrota do Santa para o Fortaleza o que se viu foi um verdadeiro caos nas ruas e avenidas próximas ao estádio do Arruda. Além disso, segundo informações do Portal LeiaJá, por pouco jogadores, comissão técnica e jornalistas não apanharam. Torcedores tentaram invadir a área reservada, mas foram impedidos pela segurança. Enfurecidos, os mesmos depredaram o patrimônio do clube.

O que chama atenção nos dois casos é o envolvimento de membros de torcidas organizadas. Já faz algum tempo que o Ministério Público tenta impedir a ação desses vândalos, que ficam travestidos de torcedores e gozam de diversas regalias por parte dos clubes. No ano passado, o promotor Ricardo Coelho, entrou com uma ação judicial pedindo a extinção das torcidas organizadas dos clubes de futebol do Estado. Até o TJPE está em silêncio sobre o caso e seguem os casos de violência crescendo.

A Polícia já tem em mãos as imagens das duas situações de violência. Os culpados devem ser punidos e os envolvidos em qualquer tipo de confusão, ser afastado dos estádios. Esses representam perigo a sociedade. Já está na hora dos deputados criarem Leis mais duras para garantir a segurança de quem realmente gosta de futebol.

Quanto aos clubes se faz necessário que parem de dar apoio a este tipo de torcedor. Regalias devem ser cortadas e não deve existir nenhum tipo de apoio para torcidas que usam gritos de guerras agressivos e já mostraram as tempo, que devem ser extintas. Mais uma vez a tragédia acontece para depois serem tomadas as providências. Esperamos pelo bom senso das autoridades e que as torcidas sejam banidas do nosso futebol. Antes tarde do que nunca.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro