14 de agosto de 2017 às 19h17min - Por Mário Flávio


O líder do PMDB na Alepe, deputado Tony Gel, criticou, na Reunião Plenária desta segunda (14), a decisão da Comissão Executiva do partido de suspender as funções políticas do deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e de outros cinco parlamentares. A punição, válida por 60 dias, foi motivada pelo posicionamento dos parlamentares em votação na Câmara, no último dia 2, a favor da abertura de processo por corrupção passiva contra o presidente Michel Temer.

Além de Vasconcelos, foram suspensos os deputados Sérgio Zveiter (RJ), Celso Pansera (RJ), Laura Carneiro (RJ), Vitor Valim (CE) e Veneziano Vital do Rêgo (PB). Para Tony Gel, a decisão, divulgada na última quinta (10), foi antidemocrática e causou estranheza por contrariar a tradição da agremiação que, segundo ele, sempre funcionou “mais como uma frente partidária do que como um partido”. “Desde o início, quando do bipartidarismo, o MDB foi tolerante, admitindo profundas divergências”, frisou.

O líder do PMDB informou que a Executiva Estadual emitiu uma nota em solidariedade ao deputado e exaltou a trajetória do ex-governador de Pernambuco. “Jarbas tem dado demonstrações ao longo da vida de não vacilar e de ser firme em suas posições. Ele não surpreendeu o partido em momento algum. Essa decisão não leva a nada e nem macula a sua história”, afirmou.

O pronunciamento foi endossados, em apartes, pelos deputados peemedebistas Ricardo Costa e Gustavo Negromonte. Costa condenou “a violência contra um fundador do partido”: “A punição que a Executiva Nacional impôs a um deputado corajoso e guerreiro, um ícone do PMDB nacional, é uma atitude esdrúxula, inexplicável, uma perseguição que a gente nunca viu dentro do partido”, afirmou. Negromonte sublinhou que “um homem como Jarbas Vasconcelos tem que ser respeitado como uma reserva moral do nosso Estado e do Brasil”, prosseguiu.

Também em apartes, Terezinha Nunes (PSDB) disse que “só quem não conhece Jarbas poderia imaginar que ele fosse absolver Temer” e Priscila Krause (DEM) assegurou que o peemedebista “se manterá fiel ao que pensa, agrade ou não a quem quer que seja”. Zé Maurício (PP) defendeu que o partido reveja a decisão.

O líder do Governo, Isaltino Nascimento (PSB), por sua vez, avaliou que o posicionamento do deputado na votação da denúncia da Procuradoria-Geral da República “foi ao encontro do sentimento da maioria do povo pernambucano”. “Essa punição, nessa conjuntura, é um prêmio, um reconhecimento à altivez e à postura do deputado federal Jarbas Vasconcelos”, afirmou.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro