25 de maio de 2012 às 08h08min - Por Mário Flávio

Com informações do JC

Desconforto, agonia, indefinição, constrangimento. Estes são os sentimentos expressados por algumas das principais lideranças da Frente Popular com a definição da Executiva nacional do PT de realizar nova prévia no Recife, marcada para o próximo dia 3. Com exceção do governador Eduardo Campos, que não emitiu opinião sobre a nova eleição, os demais representantes de partidos integrantes da Frente, que falaram à imprensa, não viram com bons olhos o novo embate entre o prefeito João da Costa e Rands.

O deputado federal (licenciado) Maurício Rands afirmou que a decisão de anular a prévia do domingo (20) e convocar nova consulta para o próximo dia 3 de junho foi “equilibrada”. Mas não parecia muito satisfeito com o desenlace. Seguindo à risca a orientação da legenda, ele defendeu que é preciso “desarmar os espíritos” para encontrar uma solução. E classificou: “esta construção é a arte da política”.

O prefeito João da Costa saiu da reunião do PT nacional afirmando que acatava a decisão da Executiva, embora defendesse que a prévia do domingo (20) deveria ter sido homologada, lhe concedendo a vitória. Segundo ele, a solução foi “muito ruim” para todos, porque outra consulta interna significa mais desgaste. “Mas era a solução que existia”, disse. Em meio a tal cenário, defendeu a aprovação de uma resolução que determine que todo prefeito do partido seja candidato natural à reeleição.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro