6 de dezembro de 2013 às 06h55min - Por Mário Flávio

O método de irrigação localizada (gotejamento e microaspersão) utilizado no perímetro de Mandacaru, no semiárido baiano, é o mais eficiente por proporcionar economia de água da ordem de 90 a 95%. O sistema implantado manteve as características originais de uso comum, porém foram implantados em cada lote um reservatório e uma bomba para a pressurização dos emissores.

Rodrigo Franco Vieira, engenheiro agrônomo da 6ª Superintendência Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), em Juazeiro, na Bahia, e um dos responsáveis pela metodologia criada, afirma que a conversão dos sistemas de irrigação em perímetros públicos é aplicável em qualquer lugar.

“No caso do gotejamento, a água é distribuída por meio de pequenos orifícios componentes das mangueiras diretamente para a zona radicular. Já no uso da microaspersão, pequenos emissores a aspergem em áreas restritas, ou seja, restringindo o bulbo molhado e aumentando a eficiência de aplicação e de absorção de fertilizantes”, explica.

Além da economia no consumo de água, a irrigação localizada possui outros benefícios, como por exemplo, a diminuição dos impactos ambientais, por meio do uso racional dos recursos naturais, sobretudo água e solo; redução dos riscos de salinização do terreno e o combate ao transporte de fertilizantes e agrotóxicos para o leito do rio São Francisco.

O secretário nacional de Irrigação (Senir), Miguel Ivan, apoia a iniciativa. “A irrigação permite o uso de diversas técnicas, que devem estar condizentes com os diferentes tipos de cultura e solo. E a equipe da SENIR deve estar atenta para apoiar as iniciativas que fazem o uso adequado destes diferentes métodos”.

O Ministério da Integração aprovou o modelo de irrigação localizada e autorizou recursos para implantar a metodologia nos perímetros de Bebedouro em Pernambuco, Tourão, Curaçá e Maniçoba na Bahia.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro