9 de fevereiro de 2018 às 09h11min - Por Mário Flávio

Do Blog da Folha

Aliado do Partido dos Trabalhadores em 2016, quando foi vice na candidatura à Prefeitura do Recife de João Paulo, o deputado estadual Silvio Costa Filho (PRB) condenou a provável aliança entre o PT e o PSB, para a eleição de 2018. Em entrevista à Rádio Folha, Silvio classificou como “Operação Salva Paulo Câmara”, esse gesto de aproximação entre as forças políticas ligadas ao ex-presidente Lula (PT) e os aliados do governador Paulo Câmara (PSB). O líder da Oposição tachou a junção entre Lula, Jarbas Vasconcelos e Paulo Câmara como “inacreditável”.

Em 2016, o PSB foi um dos partidos que votou pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Esse afastamento começou quando o ex-governador Eduardo Campos, morto em 2014, rompeu com o PT para se lançar candidato à Presidência da República. Em Pernambuco, o racha se materializou na disputa entre Paulo Câmara e o senador Armando Monteiro Neto (PTB), do qual Silvio e seu pai, o deputado federal Silvio Costa (Avante), são aliados.

“Quando você pensa que já viu de tudo, você cada vez se surpreende mais. Eu custo a acreditar que eu vou ver, em Pernambuco, um palanque com Jarbas Vasconcelos e o presidente Lula. Os próprios deputados federais do PSB votaram pelo impeachment da presidente Dilma e agora, numa operação ‘Salva-Paulo Câmara’, achando que o presidente Lula vai salvar o governador do Estado, que vai transferir o voto para salvar o governador, tentam montar essa operação com PT, PSB e Jarbas. Uma equação política que o povo de Pernambuco está observando”, avaliou.

Defensor de que o PT lance candidatura própria, multiplicando e pulverizando os votos na oposição, o que favorece o recall do senador Armando Monteiro, Silvio contemporiza os projetos alternativos ao PSB, se apoiando na sua posição de liderança na Assembleia Legislativa.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro