21 de junho de 2012 às 07h00min - Por Mário Flávio

De acordo com dados coletados pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2010, cerca de 60% das agressões são realizadas pelos próprios companheiros e parentes mais próximos. E para tentar amenizar os problemas causados pelo trauma da violência, estudantes do curso de Psicologia da Favip (Faculdade do Vale do Ipojuca) realizam um trabalho junto à Secretaria Especial da Mulher de Caruaru e a Delegacia Titular da 4ª DEMUL ( Departamento de Polícia da Mulher), prestando atendimento a vítimas, agressores e agentes.

O projeto acontece desde 2009, ano em que foi assinado o convênio entre a Favip, a Secretaria Municipal da Mulher e Secretaria de Defesa Social, através da Polícia Civil e Departamento de Polícia da Mulher. O atendimento visa o acolhimento e acompanhamento psicossocial para mulheres vítimas da violência sexista, a autores de violência e também aos agentes de segurança pública, além da comunidade. “O projeto surgiu a partir da supervisão de estagiários na área de Psicologia Social e da preocupação com o elevado índice de violência contra mulher no Estado de Pernambuco”, explica a professora e coordenadora do projeto, Suely Barros.

Um dos serviços oferecidos é o Plantão Psicológico – um acolhimento emergencial, dirigido às vítimas, realizado na 4ª DPMUL, prestando atendimento psicológico, antes, durante e depois de efetuarem o registro do boletim de ocorrência. Já na Casa Favip, acontecem reuniões dos Grupos Reflexivos, onde os autores são estimulados a refletir sobre a violência de gênero, como um modo de prevenção e de redução dos índices de reincidência. Nos Grupos Socioterápicos, os policiais da 4ª DEMUL encontram, na Casa Favip, um local para acolhimento psicossocial para quem atua no enfrentamento à violência contra a mulher.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro