26 de março de 2013 às 10h30min - Por Mário Flávio

20130326-104021.jpg

A Assembleia dos servidores da Educação Municipal teve início com a explicação do presidente do Sismuc, Eduardo Mendonça, a respeito da liminar concedida pelo juiz José Fernando Fernando Santos Souza, que decretou a paralisação como greve ilegal. De acordo com Mendonça, os termos apresentados pela liminar são frágeis e poderão ser enfrentados pelo jurídico do Sindicato dos Servidores Municipais.

Ele leu trechos da liminar que cita que o PCC foi tema de amplo debate entre professores, Câmara e prefeitura e coloca ainda o Sismuc como omisso. O sindicalista criticou a decisão e citou que a maioria dos vereadores e nem o próprio secretário de Educação, Welson Costa, tinham conhecimento sobre o conteúdo do PCC. “Não concordamos com essa liminar, mas ordem judicial não se discute, se cumpre. Vamos recorrer ao Tribunal de Justiça. Proibiriam as nossas paradas, mas após a assembleia vamos sair pelas ruas de Caruaru, é um direito nosso”, disse Mendonça.

Após os informes os professores se dirigiram ao centro da cidade e mais um apitaço foi realizado, com faixas e bonecos. O presidente da Atec, Fred Santiago, explicou que a marcha realizada não fere a decisão judicial. “Não existe nenhum descumprimento da Lei, estamos até às 12h em assembleia, é um direito legal, vamos realizar o nosso movimento de forma pacífica e depois voltamos para a sala de aula”, disse.

A próxima assembleia será realizada na próxima quarta-feira (03) a partir de 14h na sede do Sindicato.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro