18 de abril de 2015 às 06h45min - Por Mário Flávio

Do Blog de Jamildo

Conforme já se sabe, uma assembleia geral dos trabalhadores em educação de Pernambuco, realizada nesta sexta-feira (17), no Teatro Guararapes, em Olinda, deliberou pela continuidade da greve. O movimento paredista completou uma semana nesta sexta-feira. Aproximadamente 2,5 mil trabalhadores em educação participaram do encontro.

“Mesmo após sofrer ameaças do governo estadual e da justiça, os trabalhadores decidiram seguir fortes na mobilização”.

A assembleia desta sexta-feira contou ainda com a presença de alunos da rede estadual de ensino ligados ao movimento estudantil.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco, Fernando Melo, apresentou um balanço das ações deliberadas no último encontro, tal como as atividades realizadas durante esta semana e a inserção de comerciais explicando os motivos da greve em emissoras de rádio e TV. O encontro também serviu para o pronunciamento de líderes sindicais que apoiam o movimento.

Durante a assembleia, o Sintepe foi notificado oficialmente sobre a liminar assinada pelo Desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco Jovaldo Nunes, que determina a volta imediata das atividades. O documento prevê ainda que caso a determinação seja descumprida, a multa diária aplicada ao Sintepe será de R$ 30 mil reais.

Em pronunciamento no encontro, o advogado do Sintepe, Eduardo Pinheiro, esclarecer que a assessoria jurídica do sindicato vai recorrer da decisão. O sindicato tem cinco dias para recorrer da liminar e 15 para apresentar a defesa junto ao TJPE.

“A portaria publicada pelo governo do estado na última terça-feira (14), que prevê o corte de ponto dos grevistas, rescisão do contrato de temporários e deslocamento dos trabalhadores que atuam nas escolas de referência, apresenta diversos pontos contraditórios e que soam como ar de ameaça contra os docentes”, disseram os advogados.

Após as falas, o presidente do Sintepe apresentou as propostas como a continuidade da greve; a inserção de uma nota oficial em emissoras de rádio e TV; mobilização nas escolas na próxima quarta-feira (22) e; uma nova assembleia geral, marcada para o próximo dia 27 de abril, a partir das 14h, em local ainda a definir.

As ações foram aprovadas por unanimidade pela categoria.

Após a assembleia, cerca de 500 professores e alunos seguiram em passeata do Centro de Convenções até à sede da vice-governadoria, no bairro Santo Amaro. No local, uma comissão formada por representante do Sintepe, das centrais sindicais que apoiam o movimento e dos alunos foi recebida pelo vice-governador do estado Raul Henry. Ele se comprometeu a encaminhar ao governador Paulo Câmara as ações deliberadas na assembleia.

Desde o dia 13 de março, os trabalhadores em educação de Pernambuco estão em estado de greve, após o governo anunciar o reajuste do Piso Nacional dos Professores, de 13,01%, para menos de 10% da categoria. Mesmo com a promessa de que o projeto não seria encaminhado à Assembleia Legislativa de Pernambuco, o documento seguiu para o parlamento estadual e foi aprovado, no último dia 31 de março. No dia 10 de abril, os trabalhadores decidiram pela deflagração da greve por tempo indeterminado.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro