Polícia da Argentina prende terceira suspeita de ataque contra Cristina Kirchner

Jorge Brandão - 13.09.2022 às 10:56h
Foto: Reprodução/Internet

Uma terceira pessoa foi presa, nesta terça-feira (13), por suspeitas de envolvimento com a tentativa de magnicídio contra a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, no dia 1º de setembro. A mulher detida mantinha conversas com Brenda Uliarte, acusada de ser cúmplice de Fernando Sabag Montiel, que deu dois tiros à queima-roupa contra a vice. A arma, contudo, falhou.

A identidade da mulher ainda é desconhecida, mas foi presa na noite de segunda em uma operação policial no bairro de San Miguel, na capital, o mesmo onde Sabag Montiel vivia. De acordo com o jornal La Nación, a detida não faz parte da “gangue do algodão doce”, grupo de amigos do casal cujas atividades estariam na mira dos investigadores.

O pedido de prisão emitido pela juíza responsável pelas investigações, María Eugenia Capuchetti, e pelo promotor Carlos Rívolo foram baseados na reconstrução dos dias prévios ao atentado. Ao jornal argentino, fontes disseram que os investigadores observam “em detalhes” gravações, analisam comunicações e geolocalizações para tentar estabelecer o passo a passo dos acusados e de possíveis cúmplices.

Houve ao menos três operações na noite de segunda na região, uma na cidade e duas na província de Buenos Aires, para confiscar dispositivos eletrônicos e telefones celulares, segundo fontes da investigação disseram ao La Nación. As batidas ocorreram no mesmo dia em que o presidente Alberto Fernández disse que mensagens trocadas entre os acusados apontavam-no como a próxima vítima.