8 de janeiro de 2021 às 09h34min - Por Mário Flávio
Vacinação contra a gripe Influenza em postos de Drive-Thru, no Lago Norte . Sérgio Lima/Poder360 24.02.2020

Pesquisa PoderData mostra que 75% dos brasileiros pretendem tomar alguma vacina desenvolvida contra a covid-19. Os que rejeitam a vacinação para prevenir a contaminação pelo coronavírus somam 16%. Outros 9% não sabem ou preferiram não responder. Os dados foram divulgados nesta 5ª feira (7.jan.2021).

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 4 a 6 de janeiro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 518 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

Considerando a estratificação do levantamento por sexo, idade, região, escolaridade e renda, quem mais afirma que tomaria alguma vacina contra a covid-19 são:

  • homens – 77%;
  • pessoas de 16 a 24 anos – 88%;
  • os que têm ensino superior – 87%;
  • moradores das regiões Sudeste e Nordeste – 78% em cada;
  • os que recebem de 5 a 10 salários mínimos – 90%.

Quem mais rejeita a vacinação para evitar a contaminação pelo coronavírus são:

  • homens – 18%;
  • pessoas de 25 a 44 anos – 21%;
  • os que têm só ensino médio – 19%;
  • moradores da região Norte – 19%;
  • os que recebem de 2 a 5 salários mínimos – 21%.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), há 61 vacinas sendo testadas em humanos no mundo e 172 em fases pré-clínicas, ou seja, sendo testadas em animais.

A vacinação contra a covid-19 já começou em pelo menos 47 países. No Brasil, nenhum imunizante foi liberado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso definitivo ou emergencial. Atualmente, estão sendo realizados 4 estudos clínicos de vacinas contra o coronavírus no país, todos estão na 3ª e última fase de testes. Eis quais são:

  • Vacina de Oxford – produzida pelo laboratório sueco AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, da Inglaterra;
  • Vacina BNT162b1 – desenvolvida pela empresa alemã de biotecnologia BioNTech e pela farmacêutica norte-americana Pfizer;
  • Vacina Jansen-Cilag – produzida pela farmacêutica belga Janssen, do grupo norte-americano Johnson & Johnson.

A grande aposta do governo do presidente Jair Bolsonaro para dar início à vacinação no país é o imunizante desenvolvido pela biofarmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. Em agosto de 2020, a administração federal comprou 100 milhões de doses da vacina por R$ 1,9 bilhão.

Em 3 de janeiro, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) também anunciou a compra de mais 2 milhões de doses da vacina de Oxford produzidas pelo laboratório indiano Serum. De acordo com o Itamaraty, as doses começam a chegar ao Brasil ainda neste mês de janeiro.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse na 4ª feira (6.jan.2020) que o Brasil está pronto para começar a vacinação contra a covid-19 em janeiro, mas evitou cravar uma data exata para o início do processo.

O governo de São Paulo, comandado por João Doria (PSDB), aposta na  CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. O imunizante enfrente resistência do governo Bolsonaro. Em 21 de outubro, em ato contrário à vacina da China, o presidente cancelou um acordo firmado pelo Ministério da Saúde para aquisição de 46 milhões de doses do imunizante. Um novo contrato agora está em negociação.

O governo de São Paulo anunciou nesta 5ª feira (7.jan.2021) que a CoronaVac teve eficácia de 78% nos ensaios clínicos realizados no Brasil. O resultado foi informado à Anvisa.

Poder360 compilou os dados para o que o leitor tenha acesso aos documentos e comunicados dos estudos divulgados até agora:

VACINAÇÃO X BOLSONARO

PoderData mostra ainda que entre os que avaliam o trabalho do presidente Jair Bolsonaro como “ótimo” ou “bom”, 65% afirmam que tomariam alguma vacina contra a covid-19. Outros 24% rejeitam a possibilidade de vacinação.

Já entre os que rejeitam o desempenho de Bolsonaro na Presidência (acham “ruim” ou “péssimo”), 85% afirmam que devem tomar o imunizante. Os que não pretendem são 12%.

O presidente minimiza a importância da vacinação para prevenir a contaminação pelo coronavírus. Em 23 de dezembro afirmou ainda que recebeu a melhor vacina: o vírus”, acrescentando, segundos depois: “Sem efeito colateral”. Em outras oportunidades, Bolsonaro também disse que não tomaria a vacina contra covid-19, porque já foi infectado.

O Brasil registra casos de reinfecção. O 1º confirmado foi de uma profissional da saúde de 37 anos, moradora de Natal, Rio Grande do Norte. Ela teve o 1º diagnóstico foi confirmado em julho. Foi tratada e teve exame com resultado negativo em 8 de setembro. Em outubro, 116 dias depois da 1ª infecção, voltou a contrair a covid-19. O caso foi analisado pela Fiocruz, em duas amostras clínicas.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro