Petrobras anuncia fim da política de paridade internacional nos preços dos combustíveis

Mário Flávio - 16.05.2023 às 08:43h
Distribuidoras de combustivel da Petrobras. Gasolina, caminhão tanque, caminhoneiros, paralizacao. Foto: Sérgio Lima/Poder 360

A Petrobras informou, nesta terça (16), que sua Diretoria Executiva aprovou, na segunda-feira (15), a estratégia comercial para definição de preços de diesel e gasolina da Petrobras, em substituição à política de preços de diesel e gasolina comercializados por suas refinarias.

“A estratégia comercial usa referências de mercado como: (a) o custo alternativo do cliente, como valor a ser priorizado na precificação, e (b) o valor marginal para a Petrobras”, diz a companhia.

O custo alternativo do cliente contempla as principais alternativas de suprimento, sejam fornecedores dos mesmos produtos ou de produtos substitutos, já o valor marginal para a Petrobras é baseado no custo de oportunidade dadas as diversas alternativas para a companhia dentre elas, produção, importação e exportação do referido produto e/ou dos petróleos utilizados no refino.

“Com essa estratégia comercial, a Petrobras vai ser mais eficiente e competitiva, atuando com mais flexibilidade para disputar mercados com seus concorrentes. Vamos continuar seguindo as referências de mercado, sem abdicar das vantagens competitivas de ser uma empresa com grande capacidade de produção e estrutura de escoamento e transporte em todo o país”, afirma o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates.

O anúncio encerra a subordinação obrigatória ao preço de paridade global de importação, mantendo o alinhamento aos preços por polo de venda. “Nosso modelo vai considerar a participação da Petrobras e o preço competitivo em cada mercado e região, a otimização dos nossos ativos de refino e a rentabilidade de maneira sustentável”, declarou o diretor de Logística, Comercialização e Mercados da Petrobras, Claudio Schlosser.

De acordo com a Petrobras, os reajustes continuarão sendo feitos sem periodicidade definida, evitando o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio.

As premissas continuam as mesmas de julho de 2022:

  • Preços competitivos por polo de venda;
  • Participação ótima da Petrobras no mercado;
  • Otimização dos seus ativos de refino;
  • Rentabilidade de maneira sustentável.