8 de novembro de 2013 às 08h55min - Por Mário Flávio

Sim. Este blog noticiou hoje e há registro de requerimento também no primeiro semestre. Mas creche é lugar de criança e não de idoso. Será? As creches para idosos, também chamadas de “centros-dia” existem sim. No sudeste existem experiências em São Paulo e Minas Gerais e se espalha em todo o país. Até onde eu conheço partiu da ideias de empresários.

A ideia é que o idoso possa ter um tempo, durante o dia, de recreação e convívio num ambiente onde possa interagir e se sociabilizar. A família, assim como com a criança, passa a ter um tempo mais livre para se dedicar a outras atividades, principalmente nos casos de trabalho. No final do turno ou do dia, o idoso é devolvido ao lar onde reside. Há serviços que oferecem inclusive transporte para buscar e levar o idoso. E mais, facilita para aqueles que não querem deixá-los num asilo, pois voltam a ter o convívio familiar no turno da noite.

E no setor público, também há creches? Sim, a ideia é garantir as famílias que não tem condição de pagar pelo serviço possam também ter acesso a este serviço. Claro que há uma polêmica em relação ao termo usado. Há especialistas que o consideram pejorativo, infantilizando o idoso. Mas há também os que dizem que a expressão é facilmente popularizada, pois mesmo quando denominam ‘centro-dia’ ou ‘centro de vivência’, acaba se popularizando como creche.

Vejo como positiva esta iniciativa, e quem dera ver mais requerimentos com alcance social e de resgate de cidadania passando a ser mais frequentes. Vereadores mais atuantes na fiscalização do governo por cumprir a vocação e não por mera estratégia oposicionista, edis menos conivente com irregularidades, propondo ideias práticas para melhorar a cidade, elaborando leis mais justas e evitando injustiças como a que criou o desgaste com os educadores. Oradores com linguagem simples ou erudita que conseguem ser entendidos ao se comunicar com os demais e com a plateia e não exibicionistas que apresentam eloquência abundante e estéril.

POBRE MUNDO RICO…
O PIB continua crescendo, mas a desigualdade continua alarmante. A crise econômica mundial iniciada em meados de 2010 com a quebra do banco norte-americano Lehamn Brothers continua deixando seu lastro em várias nações. Um relatório da “Credit Suisse 2013 Wealth Report”, um dos mapeamentos mais completos sobre o assunto divulgados recentemente, constata que 0,7% da população concentra 41% da riqueza mundial. Mostra também que a riqueza mundial atingiu em 2013 o recorde de todos os tempos: US$ 241 trilhões. Se este número fosse dividido proporcionalmente pela população mundial, a média da riqueza seria de US$ 51.600 por pessoa.

A Austrália é o país com a média de riqueza melhor distribuída pela população entre as nações mais ricas do planeta, tendo uma média de riqueza nacional de US$ 219 mil dólares. Um dos maiores índices de pobreza do mundo (e desigualdade) é dos Estados Unidos. A África continua com o posto de continente com a menor riqueza acumulada. Em todo o mundo, a organização afirma que há mais de 200 milhões de desempregados. A expectativa é que, ao final de 2015, esse número chegue a 208 milhões.

O PT E O PED 2013
Domingo petistas de todo Brasil estarão indo as urnas para escolher seus dirigentes nos três níveis: nacional, estadual e municipal. Esse é o primeiro PED, que não participo. Embora considere o processo de mobilizar a militância para eleger seus dirigentes incomparavelmente melhor do que a maioria dos partidos, onde os dirigentes são determinados pelos “donos” da legenda naquela localidade, ainda há vícios no processo que deveriam ser extirpados. Não preciso nem citá-los aqui pois a imprensa toda vai repercutir muitas denúncias neste sentido.

EM PERNAMBUCO – Sempre há tempo de um novo recomeço, o que mais ouvimos falar é na necessidade do PT mudar, e uma mudança para suas origens, de aproximação com os movimentos sociais, identificação com as lutas de classe, construção coletiva, um partido dirigente, militante e revolucionário. A “Carta ao PT de Pernambuco: mudar para sermos os mesmos”, me pareceu propor isso.

CARUARU CABERIA NESTE CONTEXTO? Creio que sim. Sem desmerecer o clima de conciliação acordado entre as tendências, nem o candidato único, quais serão as perspectivas de mudança do cenário petista local? Se tava bom porque mudou? A mudança proposta com os mesmos de sempre expressa que alteração? Sou levado a concordar com a carta que enfatiza o fato de que “reconhecer que o PT precisa mudar não combina com a manutenção do atual comando partidário”. O “novo” sempre vem, mas enquanto não chega, desejo sucesso aos petistas que ainda lutam para manter o PT mais na linha. Que a legenda não caia, nem no estado nem em nossa cidade, no “precipício angustiante”.

PARA REFLETIR:
“Os idosos são pessoas produtivas nos tempos atuais, se antes eles ficavam em casa, sentados em suas cadeiras de balanço, hoje, a realidade é outra, por isso, a importância de comemorarmos esse dia ao logo de todo o mês de outubro com as diversas atividades que foram desenvolvidas para mostrar a sociedade que o idoso deve ter um amadurecimento digno”. (Laura Gomes, secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, no mês passado, quando se comemorou o dia nacional e internacional do idoso).

*Paulo Nailson é dirigente político com atuação em movimentos sociais e na cultura. Membro da Articulação Agreste do Fórum de Reforma Urbana (FERU-PE) e Articulador Social do MTST. Edita a publicação cristã Presentia. Foi dirigente no PT municipal por mais de 10 anos.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro