1 de novembro de 2016 às 07h09min - Por Mário Flávio

urna-300x182

O Globo: Silvia Amorim e Tiago Dantas

Dois movimentos políticos antagônicos dividiram o país ao meio ao final das eleições nas 26 capitais. Enquanto um vento de continuidade soprou na parte de cima do Brasil (regiões Norte e Nordeste), uma onda de renovação varreu a parte de baixo (Sul, Sudeste e Centro-Oeste).

A diferença de comportamento dos eleitores nessas duas metades do país ficou nítida no domingo à noite, com a proclamação dos resultados nas 18 capitais que tiveram segundo turno. Em oito cidades, a disputa havia sido definida em 2 de outubro.

Ao reeleger 14 dos 16 prefeitos de capitais, as regiões Norte e Nordeste mantiveram no poder os grupos políticos que haviam vencido as eleições em 2012. As exceções foram Aracaju e Porto Velho.

Já no Sul, Sudeste e Centro-Oeste, os eleitores de nove das dez capitais optaram por mudança e disseram não à reeleições ou à vitória de indicados dos atuais governantes. Nesse grupo, o único ponto fora da curva é Vitória, onde o prefeito Luciano Cartaxo (PPS) obteve o segundo mandato.

Rio, São Paulo e Belo Horizonte aparecem como maiores expoentes desse movimento de renovação. Mais do que trocar o partido no poder, os eleitores optaram por escolher nomes que assumirão mandatos do Executivo pela primeira vez — Marcelo Crivella (PRB), João Doria (PSDB) e Alexandre Kalil (PHS), respectivamente.

A insatisfação popular pode ter sido uma das razões desse fenômeno. Essas cidades receberam os maiores protestos políticos do último ano. A onda de mudança pôs fim ao domínio de grupos políticos que durava anos, como em Porto Alegre, onde o PSDB venceu pela primeira vez na sua história a disputa municipal.

Já na capital mineira, a influência do grupo dominante foi quebrada por um partido nanico. Além de se favorecer dos movimento de renovação, Kalil surfou na onda antipolítica que também atingiu São Paulo.’

Leia mais em O Globo


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro