15 de fevereiro de 2013 às 10h25min - Por Mário Flávio

A ex-senadora Marina Silva vai reeditar estratégia que usou na campanha à Presidência em 2010 para tentar acelerar a coleta das 500 mil assinaturas necessárias à fundação de seu novo partido, provisoriamente chamado de “Rede”. Ela vai revisitar o conceito que deu origem às “Casas de Marina”, comitês domiciliares usados para divulgar sua candidatura presidencial e buscar voluntários que queiram fazer de seus lares e estabelecimentos centros de coleta de assinaturas de apoio ao novo partido.

As “casas pró-Rede” também servirão à campanha de marketing da nova legenda, coordenada pelo cineasta Fernando Meirelles. Marina Silva e seus aliados correm contra o tempo para tirar a nova legenda do campo das ideias. A cúpula da nova sigla trabalha com a estimativa otimista de levantar as 500 mil assinaturas necessárias em até três meses.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro