11 de dezembro de 2011 às 00h33min - Por Mário Flávio

Fonte: Jornal do Brasil

O livro A Privataria Tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Jr, anuncia e promete, com documentos, comprovar pagamentos de propinas durante o processo de privatizações no Brasil, num esquema de lavagem de dinheiro com conexões em paraísos fiscais que, de acordo o autor, une membros do PSDB, como o ex-ministro da Saúde e ex-governador paulista José Serra, ao banqueiro Daniel Dantas.

As denúncias chegaram às bancas neste fim de semana. É tema de capa da revista Carta Capital. Em entrevista a Terra Magazine, Ribeiro Jr afirma ter rastreado o dinheiro. ‘Esses tucanos deram uma sofisticação na lavagem de dinheiro. Eram banqueiros, ligados ao PSDB’, acusa. ‘Quem estava conduzindo os consórcios das privatizações eram homens da confiança do Serra’, acrescenta.

O livro denuncia o que, segundo o autor, foi um esquema de desvios de recursos das privatizações ocorridas durante o governo FHC. A obra recém-lançada divulga documentos em que, informa o jornalista Amaury, é comprovada a ocorrência de lavagem de dinheiro e pagamento de propina, todos recolhidos em fontes públicas, entre elas, os arquivos da CPI do Banestado.

Serra personagem

Um dos principais personagens é o tucano José Serra, a quem o jornalista responsabiliza pela operação do esquema e acusa de ter espionado o colega de partido Aécio Neves. Terra Magazine fez contato com a assessoria de Serra na tarde desta sexta-feira (9) para ouvir o ex-governador de São Paulo a respeito. Edição traz documentos que comprovariam denúncias contra tucanos. Durante a corrida presidencial de 2010, Amaury foi acusado de participar de um grupo cujo objetivo era quebrar o sigilo fiscal e bancário de políticos tucanos. Por isso, ele foi indiciado pela Polícia Federal.

FHC ignora

‘Não tô nem sabendo’. Essa foi a resposta do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso ao ser perguntado por Terra Magazine sobre o livro A Privataria Tucana, de autoria do jornalista Amaury Ribeiro Jr. Na tarde de sexta-feira (9), o ex-presidente compareceu a um debate sobre o seu novo livro, A soma e o resto: um olhar sobre a vida aos 80 anos, em São Paulo. Cercado por seguranças, não quis falar mais sobre o esquema relatado por Amaury.

Já no debate, uma sabatina da Folha/UOL, a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, perguntou ao ex-presidente sobre o livro de Amaury Ribeiro Jr. FHC afirmou que o autor ‘está sendo investigado’ e saiu em defesa do ex-diretor do Banco do Brasil Ricardo Sérgio, também citado pelo jornalista como participante do esquema. ‘Pelo que eu saiba, Ricardo Sérgio não fez nada de errado’, declarou o ex-presidente.

Intimidação

O editor Luiz Fernando Emediato, da Geração Editorial, sentiu-se intimidado ao ser chamado para “uma conversa” com o ex-governador José Serra, que tomou conhecimento do iminente lançamento do livro A privataria tucana, de Amaury Ribeiro. Emediato contou à coluna que ofereceu seu cartão de visitas ao emissário tucano, sugerindo que, se Serra quisesse falar com ele, que o procurasse na sede da editora.

 

Autor promete comprovar pagamentos de propinas durante o processo de privatizações no Brasil

 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro