24 de novembro de 2017 às 11h36min - Por Mário Flávio

MANIFESTO EM DEFESA DA VIDA ANIMAL EM CARUARU – PE

DOS: PROTETORES (AS) DE ANIMAIS DO MUNICIPIO

PARA: PREFEITA RAQUEL LYRA

ASSUNTO: DEFINIÇÃO DE POLÍTICAS DE PROTEÇÃO ANIMAIL, SITUAÇÃO DA GPA, DIÁLOGO DO EXECUTIVO MUNICIPAL COM OS GRUPOS DE DEFESA DA VIDA ANIMAL NO MUNICÍPIO

Excelentíssima Prefeita da cidade de Caruaru, Sra. Raquel Lyra.  Vimos, através deste documento, externar a nossa indignação com situação atual da GPA e da atenção do seu governo a proteção animal nesta cidade, pelas razões que abaixo expomos:

1- A Gerência de Proteção animal em seu governo não reconhece o papel social e humanitário desenvolvido pelos protetores de animais locais que fomos marginalizados das discussões das políticas de seu governo para a vida animal em nossa cidade, contribuímos com nosso trabalho para a saúde pública e para a difusão de valores civilizatórios e de respeito ao meio ambiente e todas as formas de vida nele existente;

2- Consideramos o formato adotado pela gestão atual como meramente técnico, sem diálogo com a comunidade e com os protetores, para nós um triste desmonte dos avanços que havíamos conquistado no governo anterior, que apesar de suas limitações e equívocos, na proteção animal apostou no diálogo com os protetores de animais e fomos tratados com respeito e dignidade;

3- Reconhecemos as dificuldades estruturais vivenciadas na Gerência de Proteção Animal em nossa cidade, sabemos que lá trabalham muitos profissionais dedicados, alguns no limite de suas possibilidades, o que por sua vez, não justifica negar ao atendimento nos casos de urgências e emergências, pois levamos a GPA animais que estão em situações de extrema necessidade e sofrimento e contamos com a humanização dos profissionais que lá atendem;

4- Neste governo por algumas vezes fomos afrontados e maltratados por suas equipes, citamos o exemplo da proibição de alimentar os animais na Feira de Caruaru, no desrespeito ao TAC do MP com a participação dos protetores, representação da OAB, na retirada dos animais do Campus da UFPE, a situação injuriosa vivenciada pela protetora Gabriela Guimarães para quem foi chamada a polícia para que fosse retirada da GPA e a proibição de alimentar os animais ao redor do matadouro público de Caruaru;

5- Lembramos a Vossa Excelência o descaso da gestão nos casos das mortes por envenenamento dos gatos no Cemitério Dom Bosco e mais recentemente no Parque 18 de maio;

6- Para nós, protetores de animais, a Gerência de Proteção Animal é uma imensa conquista, que necessita ser melhorada, ampliada, melhor aparelhada, que seus profissionais sejam tratados com dignidade, como também a população e os protetores que dela necessitam. Não buscamos privilégios, nem somos acumuladores como vimos sendo tratados por alguns que nos criticam. Somos cidadãos e cidadãs ativas, que compreendem que a proteção animal é uma atividade política de saúde pública, bem estar animal e humano e somos parceiros das gestões que compreendem o papel social e político que realizamos;

7- Elegemos um Vereador nesta cidade, O Edil Fagner Fernandes, que vem de forma comprometida e solidária junto conosco desde a sua eleição, nunca nos faltou em solidariedade e respeito, somos a sua base política, e ele tem sido a nossa voz junto  ao seu governo, infelizmente, ele também vem tendo sua possibilidade de ação reduzida em função da pouca atenção do seu governo a causa animal em nossa cidade;

8- Requeremos de Vossa Excelência que a GPA não seja apenas uma clinica pública com hora marcada, mas que seja um espaço de difusão de bem estar animal como já foi um dia, que apresente políticas de educação ambiental que chegue as escolas e a comunidade, que tenha programa de educação contra os maus tratos aos animais, na difusão de uma cultura de respeito ao meio ambiente, um espaço que acolha e pense com os protetores de animais ações conjuntas. E que as ações que sejam realizadas conosco não sejam tratadas como privilégios e favores, mas como educação ambiental e para a cidadania;

9- Estamos abertos ao diálogo, mas somos perseguidos e ameaçados em vários espaços onde atuamos. Nas instituições de ensino na defesa dos animais, nas feiras pelos funcionários que ali atuam, criminalizados como loucos e histéricas porque nosso principal instrumento de articulação e ação para conter maus tratos e fazer denúncias são as redes sociais;

10- Queremos compreender qual será sua política de governo para evitar os maus tratos a vida animal, sejam animais de pequeno, médio ou grande porte, não conhecemos no seu governo pessoas vinculadas a defesa da vida animal, pela forma que as ações vem sendo desenvolvidas, temos sido tratados como inimigos, quando o nosso papel é de proteção;

11- Seu governo confunde protetor com acumulador de animais, somos contra a acumulação e defendemos a intervenção nesses casos para a proteção da vida dos animais e das pessoas e o encaminhamento dos acumuladores a tratamento e orientação psicológica. Um protetor acolhe com dignidade e respeito a vida animal, reduz o numero de animais nas ruas, se preocupa com castração, vermifugação e vacinação. No entanto, não recebemos nenhuma contrapartida exceto nos casos de vacinação quando comunicamos da impossibilidade de levar todos os animais que acolhemos para os postos de vacinação em alguns casos;

12- Ao invés de inimigos, queremos ser tratados como parceiros, sabemos recolher, cuidar e tratar os animais abandonados. Requeremos de seu governo compromissos com programas de castrações nas áreas mais vulneráveis do município, que possamos ter apoio nos casos de maus tratos e animais que perambulam doentes com prioridade no atendimento e acolhimento, que possamos ter um canal com a GPA como espaço de diálogo e ação conjunta;

13- Que o município protagonize ampla campanha de adoção de animais de rua, de difusão de comportamentos civilizados e de redução de acidentes com animais de rua que estão sendo atropelados e necrosam na rua sem atendimento adequado, se não atuamos eles aprodrecem e morrem nas ruas;

14- Que se amplie a fiscalização e multa de proprietários que deixam animais de grande porte nas ruas e estradas facilitando acidentes, que se monitore a feira de gado para evitar tratamento cruel e degradante aos animais ali comercializados, como também que as práticas de mortalidade dos animais no matadouro público da cidade caminhem pela redução do sofrimento animal e do descarte correto de vísceras e restos mortais;

15- Que a prefeitura de Caruaru crie um programa de parceria com as clinicas veterinárias locais para redução dos custos dos tratamentos nos casos enviados pela GPA quando não existir naquela instituição equipamentos adequados, reduzindo em contrapartida tributos ou outras obrigações destas clinicas para o atendimento a população carente ou protetores de animais;

16- Que a GPA busque conhecer as ações de outras cidades que vem desenvolvendo ações de castrações de animais comunitários com sua devida devolução ao ambiente onde desenvolve vínculos afetivos, que seu governo respeite o direito a vida dos animais comunitários e que nenhum animal seja submetido a eutanásia sem o devido laudo que comprove a doença que enseja a sua morte, que possamos visitar com a autorização dos responsáveis os animais recolhidos na GPA ou Centro de controle de zoonoses para acompanhamento das ações que garantam a dignidade animal;

17- Sabemos que este é o seu primeiro ano de governo, e como até este momento não conhecemos suas metas ou ações na área de proteção animal, subscrevemos este manifesto na esperança de que os anos seguintes sejam melhores e menos degradantes para os animais em nosso município. Nos colocamos a disposição para participar de ações e de políticas e estaremos atentos em defesa da vida animal.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro