18 de abril de 2013 às 11h25min - Por Mário Flávio

20130418-085329.jpg

Em reunião na tarde desta quarta-feira (17), no Moda Center Santa Cruz do Capibaribe, a pauta foi o direcionamento das ações em busca de uma solução para a problemática dos confeccionistas informais que atuam na região agreste do estado. Promovido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico do município, o objetivo se concentrou em fortalecer a integração entre os representantes do Polo de Confecções de Pernambuco em torno de temas de interesse comum.

Presidentes das associações comerciais e empresariais de Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, além de secretários municipais e dirigentes do Moda Center Santa Cruz e Parque das Feiras de Toritama, debateram um pacote de sugestões que serão trabalhadas e propostas ao Governo do Estado a fim de incentivar à formalização no setor. “É importante que os municípios que integram o Polo de Confecções estejam sempre unidos, discutindo, sobretudo, o crescimento da região. Não queremos ver o Governo do Estado como um entrave, mas como um parceiro no desenvolvimento”, disse Bruno Bezerra, secretário de Desenvolvimento Econômico de Santa Cruz do Capibaribe.

Na reunião, também foi discutida a necessidade de uma melhor comunicação entre Governo do Estado, Ministério Público, entidades e confeccionistas, assim como a viabilidade de uma assessoria jurídica e tributária para trabalhar na elaboração de uma estrutura tributária que incentive a formalização e mantenha a competitividade. “Nós vivemos uma cultura de mais de 30 anos de informalidade. Já faz muito tempo que o Estado busca essa formalização e nós não temos mais como fugir disso. Sabemos que é um caminho sem volta, mas precisamos encontrar soluções que sejam viáveis para a legalização. Essa união dos municípios envolvidos já é um bom sinal”, disse Everaldo Gualberto, coordenador da Câmara Setorial de Componentes Têxteis da Associação Comercial e Industrial de Caruaru (ACIC).

“Esses municípios deixaram o conceito de cidadezinhas do interior e se tornaram grandes centros urbanos e de produção. E quando a gente cresce, a
gente paga um preço. E o preço é essa necessidade de se buscar uma regularização, mas uma regularização reconhecendo a dificuldade de cada porte de contribuinte”, reforçou Carlos Veras, secretário da Fazenda de Caruaru. Já de acordo com Erich Veloso, secretário de Desenvolvimento Econômico de Caruaru, a busca pela unidade na discussão do interesse comum foi o ponto principal da reunião. “Além de soluções para as questões fiscais, tributárias e de legalidade, nós vamos sugerir ao Governo do Estado a criação de uma política desenvolvimentista que venha assegurar ao Polo de Confecções competitividade e visibilidade no cenário nacional e até internacional”, destacou.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro