18 de agosto de 2012 às 18h18min - Por Mário Flávio

A secretária de Saúde de Caruaru, Aparecida Souza, enviou nota ao blog em que repudia as declarações da candidata à prefeitura de Caruaru, Miriam Lacerda (DEM). Especificamente, Aparecida se refere ao desempenho do Sistema Único de Saúde em Caruaru, criticado de forma veemente pela democrata. Segundo a secretária, Caruaru está entre os municípios que alcançaram índices regulares de condições de Saúde. Aparecida diz ainda que a avaliação do índice do SUS engloba de uma estratégia do governo federal para enfrentar a crise na Saúde no país.

Confira a nota

Caro Jornalista Mário Flávio,

Causou-me indignação os comentários da candidata oposicionista sobre a nota dada ao município de Caruaru no Índice de Desempenho do SUS (IDSUS), indicador criado pelo Ministério da Saúde para avaliar o desempenho do Sistema de Único de Saúde (SUS). O IDSUS classificou os mais de cinco mil municípios do Brasil em 6 grupos com características similares (socioeconômicas, de perfil de morbimortalidade e de suficiência de estrutura do sistema de saúde).

O que ela não diz é que Caruaru integra um Grupo de 96 municípios do Brasil, onde estão municípios com alto IDSE (Índice de Desenvolvimento Socioeconômico), com médio ICS (Índice de Condições de Saúde) e com média estrutura de MAC (atenção de média complexidade, estrutura de atenção especializada, ambulatorial e hospitalar), índices estes estabelecidos pelo Ministério da Saúde. É importante também que as pessoas saibam que o IDSUS faz parte de um conjunto de estratégias adotadas pelo Governo Federal para melhorar o SUS, a partir da construção de um acordo nacional firmado entre os governos federal, estadual, municipal para o enfrentamento da crise da saúde, evidenciada pela falência do Modelo Hospitalocêntrico e pelo esgotamento da capacidade de financiamento por parte dos municípios.

É bom lembrar que embora este acordo tenha sido firmado no ano de 2006 (Pacto pela Saúde – Portaria Ministério da Saúde n°399/GM, de 22 de fevereiro de 2006), o Município de Caruaru só aderiu ao Pacto pela Saúde na atual gestão, quando em maio de 2011 o Prefeito José Queiroz convocou a sociedade civil para discutir novos rumos para a Saúde Pública de Caruaru (Adesão formalizada pelo Ministério da Saúde pela Portaria n° 2714/GM, de 17 de novembro de 2011).

Esse passo foi fundamental para consolidar o Município de Caruaru como sede e referência da II Macrorregião Região de Saúde do Estado de Pernambuco e garantir os investimentos federais e estaduais para construção e financiamento dos equipamentos necessários para consolidar essa região de saúde: Hospital Mestre Vitalino, Hospital da Mulher, UPAE (Unidade Pernambucana de Atendimento Especializada), Rede Cegonha (Ampliação de Leitos Obstétricos, Centro de Parto Normal e Casa da Gestante), UPA do Vassoural, UPA Boa Vista, UPA Rendeiras, Centro de Apoio Psicossocial para pacientes com Transtornos Mentais, Centro de Apoio Psicossocial para Usuários de Álcool e Drogas, etc.

O que nos resta perguntar é: Por que essas pessoas que hoje criticam a atual Gestão Municipal não fizeram adesão ao Pacto pela Saúde quando eram gestores em 2006?

Maria Aparecida de Souza
Sanitarista e Mestre em Saúde Pública pela Ensp-Fiocruz


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro