14 de janeiro de 2020 às 07h55min - Por Mário Flávio

O deputado federal Tadeu Alencar, líder do PSB na Câmara, criticou a decisão do presidente Jair Bolsonaro de vetar, integralmente o Projeto de Lei aprovado pela Câmara, em 11 de dezembro, que prorrogava até 2024 concessão de benefícios por meio do Regime Especial de Tributação para Desenvolvimento da Atividade de Exibição Cinematográfica, o Recine. O PL 5.815/2019, vetado na última sexta-feira (10), estendia a isenção de impostos para instalação de cinemas em pequenas cidades e investimentos em obras nacionais independentes.

“Trata-se de mais um item no pacote perverso de desmonte da cultura nacional, particularmente, em relação ao cinema, por parte do governo Bolsonaro. O que este presidente vem fazendo em termos de malefício cultural não encontra precedentes em nosso país. Esse veto é absurdo e a Câmara tem o dever de derrubá-lo”, afirmou Tadeu Alencar que preside a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Cinema e do Audiovisual Brasileiros.

Para o parlamentar, o posicionamento de Bolsonaro em relação ao nosso cinema beira o inacreditável. Ele citou as agressões à classe artísticas, como ocorreu com a atriz Fernanda Montenegro, chamada de “sórdida” por um funcionário do governo, o diretor de Artes Cênicas da Funarte, Roberto Alvim. Lembrou, também, a ordem de retirar da própria Funarte todos os cartazes de filmes nacionais. Ou ainda a frase de Bolsonaro – “nunca mais fizemos um bom filme” – ao defender a realização de filmes cívicos e de cunho evangélico. “É a atividade presidencial elevada aos píncaros da ignorância”, completou.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro