17 de outubro de 2017 às 07h21min - Por Mário Flávio

dilma

O ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, informou nesta segunda-feira (16), por meio de nota, que pretende utilizar trechos da delação do doleiro e “operador” do PMDB, Lúcio Funaro, para pedir a anulação do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, possivelmente nesta terça-feira (17).

Segundo ele, o depoimento do doleiro – sobrinho do ex-ministro da Fazenda, Dilson Funaro, afirma que o então presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ora cumprindo pena em Curitiba (PR), comprou votos de parlamentares para afastar Dilma do governo.

“Entendemos que na defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito, o Poder Judiciário não poderá deixar de se pronunciar a respeito, determinando a anulação do impeachment de Dilma Rousseff, por notório desvio de poder e pela ausência de qualquer prova de que tenha praticado crimes de responsabilidade”, diz a nota do ex-ministro.

Dilma foi afastada do cargo em abril do ano passado e imediatamente substituída pelo vice Michel Temer. A “base jurídica” para o seu afastamento foi a suposta prática de “pedaladas fiscais”.

O pedido foi protocolado na mesa da Câmara Federal pelos advogados Miguel Reale Júnior e Janaína Paschoal. Esta última submeteu-se a concurso para cadeira de Direito Penal da USP e foi reprovada.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro