16 de março de 2013 às 10h25min - Por Mário Flávio

Após negociações que se arrastaram por mais de três meses, a presidente Dilma Rousseff promoveu ontem três mudanças ministeriais visando garantir apoio de partidos aliados à campanha por sua reeleição em 2014. A primeira etapa da reforma ministerial contempla o PMDB e o PDT. Numa segunda etapa devem ser atendidos o PR e o PSD, como parte da estratégia eleitoral do governo Dilma de evitar a perda de aliados para os potenciais adversários na campanha de 2014: o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o governador Eduardo Campos (PSB-PE).

Ontem, o Palácio do Planalto fechou duas mudanças que atendem o PMDB: a nomeação de Antônio Andrade (PMDB-MG) para o Ministério da Agricultura e a transferência de Moreira Franco (Assuntos Estratégicos) para a Secretaria de Aviação Civil. A terceira mudança contempla a cúpula do PDT, que ameaçava deixar a base aliada do governo para se aliar ao PSDB ou ao PSB. Deixa o Ministério do Trabalho o pedetista Brizola Neto e entra o secretário-geral do PDT, Manoel Dias, aliado do presidente da sigla, Carlos Lupi.


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro