7 de abril de 2017 às 20h24min - Por Mário Flávio


O ministro das cidades, Bruno Araujo (PSDB), participou no fim da tarde desta sexta-feira (7) da pré-estreia do espetáculo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, em Brejo da Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco. O ministro chegou com uma comitiva própria e evitou vir junto ao governador Paulo Câmara (PSB), o que aumentou a especulação sobre a intenção dele em disputar o governo de Pernambuco em 2018. 

O tucano disse que o momento não é para falar de política, já que a população aguarda ações do governo e não quer saber de política. Ele fez uma analogia com as falas do prefeito de São Paulo João Dória (PSDB), que é cotado para disputar à presidência ano que vem. “Eu tenho um grande amigo em São Paulo, o prefeito Dória, sempre responde que está prefeiturando. Eu estou ministeriando, focado para entregar as ações que são importantes para áreas de saneamento, habitação e mobilidade, para priorizar Pernambuco no programa Minha Casa, Minha Vida, já que foi pouco atendido”, diz. 

O ministro quando era deputado federal deu o voto que cravou o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Questionado sobre a possibilidade da cassação da chapa Dilma/Temer pelo TSE, ele desconversou. “Temos regras condicionais. Se a presidente Dilma teve que sair, assumiu o vice. Se o TSE decidir que a chapa caia, também existem regras condicionais. O povo não sabe que a solução não é a melhor nesse momento. A regra determina que se a chapa cair, os deputados irão eleger um novo presidente da República. Será que esse é o momento que o país precisa? Mas os resultados que forem decididos pelas instituições serão respeitados”, disse. 

Também esteve na solenidade o ministro da Cultura, Roberto Freire que não veio na mesma comitiva de Bruno Araújo. 


Comentários


...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro