30 de dezembro de 2015 às 15h18min - Por Mário Flávio

A Operação da Arena Pernambuco é uma das mais estranhas das gestões do PSB em nosso Estado. Uma operação que hoje é investigada pela Polícia Federal por suspeita de superfaturamento. O prefeito Geraldo Júlio e o atual governador do Estado eram, na época da licitação, respectivamente presidente e vice do Comitê Gestor das Parcerias Público-Privadas de Pernambuco (CGPE), órgão pelo qual passam, ainda hoje, obrigatoriamente, todas as decisões sobre os contratos firmados.

É evidente que, como presidente do Comitê, o prefeito Geraldo Júlio tinha muito mais responsabilidade com a licitação e o contrato firmando com a Odebrecht para a construção do Complexo Arena Pernambuco – Cidade da Copa. Lamentavelmente, até hoje os pernambucanos não ouviram uma só palavra do prefeito sobre a operação do empreendimento.

Em função desse silêncio, o prefeito Geraldo Júlio será convidado para participar de uma audiência pública, a ser realizada na volta do recesso parlamentar, onde será discutida mais uma vez o contrato e a operação da Arena Pernambuco, que tem um custo estimado de mais de R$ 700 milhões e já recebeu do Estado um montante de R$ 388 milhões desde a assinatura do contrato, sem contar os mais de R$ 50 milhões realizados só este ano.

Assim, o prefeito terá a oportunidade de dar as explicações que o povo de Pernambuco precisa ouvir. Afinal, como presidente do Comitê Gestor, cabia a Geraldo Júlio a missão de autorizar estudos, avaliar a viabilidade técnica e financeira do empreendimento e, por fim, autorizar a licitação e encaminhar a assinatura do contrato.

Pernambuco precisa saber quem vai arcar com os prejuízos causados ao Estado e as alternativas para viabilizar o empreendimento.
Silvio Costa Filho – Deputado Estadual


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro