27 de novembro de 2015 às 12h49min - Por Mário Flávio

Estamos preocupados com o presente e o futuro de Caruaru. Sabemos que estamos numa crise econômica nacional e internacional, que tem varrido os empregos pelo Brasil a fora, mas também sabemos que muitas cidades têm superado a crise e até crescido, gerando milhares de empregos. É o caso de Juazeiro da Bahia, que gerou novos 4.358 postos de trabalho neste ano. É o caso da pernambucana Petrolina, que gerou 3.601 empregos e da alagoana Arapiraca, que ganhou novos 2.346 empregados formais. Já a nossa Caruaru perdeu, neste ano, 2.130 empregos formais, segundo o Ministério do Trabalho e Empregos. 

E porque essa diferença entre cidades de porte parecido e da mesma região? A resposta está na falta de uma cultura exportadora em nossa cidade. As empresas de Caruaru dependem 100% do mercado interno brasileiro, que está em retração. Já as cidades citadas, que cresceram, já vendem para o mercado internacional há muitos anos e estão surfando na onda do dólar alto, para venderem e atraírem novos compradores para os seus produtos, que se tornaram baratos para os mercados exteriores.

Pensando nisso, o projeto DE CARUARU PARA O MUNDO, criado pelo PHS, visa chamar a atenção das autoridades e lideranças empresariais e laborais para, urgentemente, mudarmos essa cultura. Sugerimos ao prefeito José Queiroz que faça mudanças na Lei Orçamentária Anual, que se encontra em tramitação na Câmara de Vereadores de Caruaru e tem que ser aprovada nesse mês de dezembro, a fim de inverter as prioridades inseridas na LOA 2016, pelo chefe do Executivo municipal.

Na referida LOA o item Lazer está contemplada com R$ 5.362.000,00. Já o item Desporto Comunitário está previsto receber outros R$ 5.241.000,00. Enquanto isso, num ano em que se prevê dificuldades na geração de empregos, o poder Executivo de Caruaru planeja investir apenas R$ 1.050.000,00 na Promoção Industrial. Não somos contra o Lazer ou o Desporto Comunitário, mas achamos que ninguém vai fazer lazer ou praticar esportes, de barriga vazia ou desempregado, e sem ter como prover a alimentação de seus filhos.

Precisamos mudar essa realidade. Defendemos que a prefeitura aloque ou desloque outros recursos para, temporariamente, contratar grande parte das pessoas que perderam seus empregos, para fazerem serviços comunitários como capinar ruas, cuidar dos logradouros públicos, limpar barragens e barreiros, gerando, com esses salários, recursos para as compras no nosso comércio e fazendo novos empregos surgirem.

Mas, de forma definitiva e oferecendo às indústrias de Caruaru uma saída para a crise, defendemos que os recursos do Lazer e do Desporto Comunitário, da LOA 2016, sejam realocados para a Promoção Industrial e que seja criada a AGÊNCIA CARUARUENSE DE EXPORTAÇÃO, para treinar e capacitar os empresários caruaruenses para o comércio internacional, fazendo a interlocução junto ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que tem fartos recursos para as empresas que queiram exportar e que tem o Pernambucano Armando Monteiro Neto como titular, podendo ajudar e muito, Caruaru, nesse segmento.

Só para se ter uma idéia, neste ano de 2015 as exportações brasileiras totalizam US$ 167,443 bilhões e Caruaru não participa com praticamente nenhum dólar nesse montante. Conclamamos as entidades empresariais, os clubes de serviços, os empresários de Caruaru e as lideranças políticas, a fazerem uma reflexão, se unirem e requererem ao prefeito de Caruaru uma mudança de postura. Não podemos fingir que a crise não é conosco, pois estamos dentro dela e Caruaru não está preparada para enfrentá-la.  

Unamo-nos pelo bem dos nossos conterrâneos, principalmente os mais pobres.

Caruaru, 26 de novembro de 2016.

*Rivaldo Soares Presidente do Diretório Municipal do PHS – Partido Humanista da Solidariedade.


Comentários



...

Mário Flávio

Jornalista & Blogueiro