O perfil do candidato de situação da OAB Caruaru

O advogado Fernando Antonio de Sousa Santos Júnior é caruaruense, formado em Direito pela Asces-Unita e pós-graduado em Direito Civil e Empresarial pela UFPE. Durante sua formação realizou estágio em três órgãos federais: Polícia Federal, Receita Federal e Justiça Federal, todos através de concurso.

Filho de professora e bancário, Fernando Júnior não tem tradição jurídica na família, e após sua formação acadêmica iniciou a carreira na advocacia com poucos recursos e com a ajuda de duas sócias – as advogadas Rita de Cássia e Júlia Santos – abriram um escritório em Caruaru.

Fernando tem nove anos na advocacia, dos quais, sete também são dedicados à OAB. Sua trajetória na Ordem teve início na OAB-PE como membro de Comissão de Honorários, pouco mais de ano depois se tornou vice-presidente nesse mesmo departamento.

Após sua trajetória de êxito na OAB-PE, foi convidado para compor a chapa da OAB Caruaru que saiu vitoriosa em 2015 como vice-presidente na atual gestão e, agora, diante dos serviços prestados para a classe, inclusive como delegado da Caixa de Assistência dos Advogados de Pernambuco – CAAPE, concorre à vaga na presidência da OAB Caruaru para o próximo triênio 2019-2021.

Vereadores de Caruaru comemoram eleição do vice de Bolsonaro

Rozael do Divinópolis e Edjailson da Caru forró destacam na tribuna da Câmara a relevância do PRTB, partido de ambos vereadores, e que agora tem como representante maior o vice-presidente general Hamilton Mourão. Edjailson enaltece o apoio que Jair Bolsonaro teve durante campanha, que segundo ele, conseguiu conversar diretamente com a população e apresentar as propostas da coligação de forma massiva e contundente, mesmo com o pouco tempo concedido pelo horário eleitoral gratuito aos partidos menores.

Edjailson inclusive declara concordar que os trabalhadores do campo possam ter a posse de arma e assim, em suas palavras, conseguir defender seu território e família, de forma a intimidar possíveis ações de bandidos. Além de destacar que as palavras “Ordem e Progresso”, contidas na bandeira nacional, voltarão a ter sentido – com a valorização e devolução do poder de ação das polícias civil, federal e militar do Brasil. As informações são da assessoria da Câmara de Caruaru.

Artigo – Abaixo o Multi / Pluripartidarismo – por Severino Melo*

Uma frase de efeito muito importante e interessante foi dita aos quatro ventos pelo Presidente Eleito, Jair Bolsonaro, durante a sua recente campanha política: “Meu partido é o Brasil”.

Quem me conhece sabe que de há muito eu verbero e reverbero contra ao que chamo de quatro mazelas da política brasileira: Analfabetismo Político; Partido Político com Dono; Político Profissional e Reeleição!

Concordo em grau, número e gênero, até me regozijo em ler o slogan: “Brasil acima de tudo; Deus acima de todos”.

Anda em voga um condensado de Cláusulas de Barreiras para que se faça desaparecer a grande parte dos “partidos nanicos do Brasil”. Estes que só servem para “negociatas”, “barganhas”, “compra de apoios” e outras transações espúrias que, amparadas por leis casuísticas, que visam dá aspecto de legalidade, são imorais até no mote de seu nascedouro. Nem tudo o que é legal, é moral.

Pessoalmente, eu já estava “exilado” da política partidária desde 2012, quando disputei a vice-prefeitura de Caruaru pelo PSOL, à época um partido pequeno que se impôs, lançando chapa “puro sangue” (Prefeito e Vice), contando tão somente com a dialética na persuasão do voto de consciência do povo caruaruense. O resultado foi aquele que os de boa memória se recordam.

De lá para cá, dentro da independência política que sempre me foi peculiar, fiz minha intensa autocrítica. Renasci das cinzas…

Tenho um novo olhar sobre o Brasil. Principalmente, na sua administração vindoura (2019 / 2022). Em apenas estancando-se a sangria o país prosperará.

Os partidos políticos estão em polvorosa!

Muitos donos de partidos simplesmente desaparecerão do cenário político nacional.

Muitos corruptos contumazes, que faziam da política profissional sua regra de fé e prática não terão condições de se locupletarem como a bem pouco tempo faziam.

Provavelmente voltará à tona o projeto das candidaturas avulsas!

Temos que votar em pessoas e não em agremiações partidárias.

Os mais votados é que devem ser os eleitos e os subsequentes os suplentes, regra de três simples para resolução do jogo.

Há de surgir uma quota para todo e qualquer que queira defender o mandato sem remuneração – mandato é “munus” público e não emprego!

A política partidária e os mandatos serão exercidos por profissionais políticos e não por políticos profissionais.

O Culto à Personalidade será banido e a ciência política será difundida não como educação, mas sim, como ensino. Pois educação é de berço, é de lar, é de criação! Enquanto que o ensino são as matérias propedêuticas e técnicas que diferenciam o grau de instrução das pessoas, afinal de contas, pessoa formada não é mais do que pessoa informada.

“Mil vezes o doloroso processo da conscientização, do que o anestésico da alienação ou o fel da omissão política”.

Eia e avante! Em 2020, Decerto, o processo eleitoral de Caruaru estará mais rico de pessoas e ideias!

*Severino Melo – smelo2006@gmail.com – fone whatsapp 999727818 – Cidadão Honorário de Caruaru desde 1985. Para quem mandato não é emprego e política não é profissão.              

Armando critica boicote de governadores do Nordeste a Bolsonaro

O senador Armando Monteiro (PTB) foi outra liderança da oposição a Paulo Câmara (PSB) a discordar da articulação dos governadores do nordeste, que não compareceram à primeira reunião com o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), convocada pelos governadores do sudeste, na última quarta-feira (14). Na ocasião, o governador do Piauí, Weelington Dias (PT) foi o único a comparecer e levou uma carta elaborada pelos governadores nordestinos para o futuro presidente.

De acordo com Monteiro, a região sofreu um processo de “regressão econômica em

consequência das mudanças no ambiente externo” e para mudar a situação é necessário que os governantes repensem as políticas de governo empregadas na atualidade. “Os governadores têm que ter uma posição convergente do que seria uma agenda renovada para a região. Alguns ainda têm a visão nostálgica do planejamento feito nos moldes da Sudene, que não se harmoniza com as novas tendências e a realidade da abertura de mercado, economia e fluxos de produção e financeira”, diz Armando.

Humberto segue com críticas a Bolsonaro

O senador reeleito Humberto Costa (PT) usou sua conta do twitter, nesta sexta-feira (16) para criticar o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) por conta da saída de Cuba do Mais Médicos, após declarações polêmicas sobre a participação do país no Programa. Em várias tuitadas, Humberto questionou o impacto que a saída dos cubanos trará para os municípios brasileiros. O senador também publicou um vídeo com críticas a Bolsonaro pela reforma da previdência, classificando-a como “estelionato eleitoral”.

Em relação ao Programa Mais Médicos, Humberto fez três postagens. Uma repercutindo uma notícia da Confederação Nacional dos Municípios, que alerta que 28 milhões de brasileiros podem ficar sem atendimento com saída de cubanos. Em outra postagem, o senador avalia a medida. “O fim do programa Mais Médicos, determinado por Jair Bolsonaro, será péssimo para a população. A política foi colocada em primeiro lugar e não a saúde das pessoas. Vai prejudicar enormemente os menos favorecidos”, tuitou.

Bruno Araújo será indicado por Dória para comandar PSDB nacional

O governador eleito de São Paulo, João Dória (PSDB), em reportagem publicada pela revista Istoé, nesta quinta-feira (15), tratou de usar seu capital político para dar as cartas no partido. Ele revelou que indicará o deputado federal Bruno Araújo à presidência nacional e trabalhará para renovar a legenda, levando os tucanos para o “chão de fábrica”. À Folha, o deputado evitou comentar de forma antecipada a decisão da executiva.

“As eleições para a próxima Executiva do PSDB que presidirá esse novo momento serão tratadas na hora oportuna. Agora temos de respeitar o protagonismo das montagens dos governos federal e estaduais. No tempo certo os governadores e as bancadas do PSDB terão o seu peso na construção desta nova fase”, disse.