A nova fornecedora de material esportivo do Central para o centenário

O Central anunciou a marca dos 100 anos do alvinegro. A Super Bolla vai produzir os materiais que vão marcar a comemoração histórica.

A nova fornecedora de materiais esportivos do Central é de Goiás e já vestiu clubes como Paulista, River e Confiança, por exemplo.

O contrato é de um ano e o Central deve investir cerca de R$ 40 mil. A marca chega com o desafio de conseguir peças para que os torcedores possam comprar, um dos principais problemas do clube, que não tem nenhuma loja oficial.

Criminosos roubam malotes de agência bancária no Centro de Caruaru

Imagem de Mavian Barbosa

Do G1 Caruaru

Criminosos roubaram malotes do Banco Santander por volta das 17h (horário local) desta sexta-feira (16) no Centro de Caruaru, Agreste de Pernambuco. Os bandidos estavam encapuzados e chegaram ao local em um carro. Eles saíram do automóvel armados e efetuando vários disparos pelas ruas.

Por e-mail, a assessoria de imprensa do Santander confirmou a ação criminosa e acrescentou “que está colaborando com as investigações policiais”.

Uma das portas de vidro do banco ficou destruída após a ação dos assaltantes. Havia um carro-forte ao lado da agência bancária, mas ainda não há informações se o material que estava no veículo era destinado ao banco.

A Polícia Militar chegou ao local do crime e, até o momento da publicação desta matéria, não passou nenhum detalhe da ação criminosa. Os assaltantes fugiram. O caso deverá ser investigado pela Polícia Civil.

Renovação foi o mote do almoço

Um almoço reuniu algumas das principais lideranças políticas de Caruaru. Todos forças que defendem a renovação. Estiveram no almoço o coordenador do Ciretran/Caruaru, Raffiê Dellon, o presidente do PSL no município, Manoel Santos, o deputado estadual eleito, Delegado Lessa e o suplente de deputado estado e vice-presidente do PSL Pernambuco, Silvio Nascimento.

No cardápio uma avaliação das eleições 2018 e a conjuntura política na cidade e no estado.

Prefeito de Águas Belas lamenta fim da parceria entre Brasil e Cuba

A notícia do fim da colaboração dos médicos cubanos no Programa Mais Médicos foi recebida com tristeza pelo ex-prefeito de Águas Belas, Genivaldo Menezes. Durante a gestão do político, entre 2009 e 2016, a participação dos profissionais estrangeiros foi primordial em diversos momentos e possibilitou o atendimento de saúde a cidadãos da cidade e da zona rural. “Sou muito grato a esses profissionais tão comprometidos e competentes que vieram para o Brasil cumprir a missão de atender pessoas no Norte, no Nordeste, nas cidades grandes e pequenas, periferias, acampamentos do Sem Terra, assentamento, aldeias indígenas, quilombolas, toda a comunidade rural. Esse foi o único momento que o povo brasileiro teve, de verdade, um atendimento médico decente oferecido pelo Governo Federal. Quero agradecer pela revolução na saúde em Águas Belas com a valiosa ajuda deles”, declarou.

Genivaldo ressaltou que os médicos cubanos foram essenciais durante o enfrentamento a Chikungunya e Zika, na época em que era prefeito. “Foi um momento muito difícil, no qual poderíamos ter perdido muitas vidas, se não fosse por eles. Espero que os médicos brasileiros continuem essa missão do Programa com o mesmo carinho e compromisso que a nação cubana teve com o nosso povo”, finalizou.

Feira Musical na Serra dos Cavalos

A 7ª edição da Feira Musical será realizada neste domingo (18) no Parque Natural Municipal João Vasconcelos Sobrinho, em Serra dos Cavalos. A iniciativa é da Prefeitura de Caruaru. Desta vez, o cantor Valdir Santos será uma das atrações.

O evento é gratuito e conta com transporte saindo da frente do Grande Hotel, às 13h. A programação tem ainda a presença de arte-educadores para animar a criançada, integrantes da Associação dos Artistas Plásticos de Caruaru, além de uma feira de artesanato e gastronomia.

Campanha de prevenção ao câncer de mama atendeu mais de 7 mil mulheres

Mais um ano de números expressivos na Campanha de Prevenção às Doenças da Mama, promovida pela Manoel Florêncio Diagnósticos em parceria com a Acic – Associação Comercial e Empresarial de Caruaru. A ação reuniu milhares de mulheres recentemente, no 5º piso do Shopping Difusora.

No total, foram contabilizados 7756 atendimentos, passando pelos exames clínicos, de ultrassonografia e encaminhamentos para mamografia. Além disso, as mulheres receberam orientações sobre o cuidado pessoal, em palestras ministradas por profissionais e estudantes da área de saúde.

Datas que construíram o Dia da Consciência Negra

20 de novembro de 1695 – Zumbi é morto pelas tropas de Domingos Jorge Velho

Foi de 50 mil réis, o equivalente a mais ou menos 70 gramas de ouro pela cotação da época, o prêmio que dom Pedro II de Portugal e Algarve, também chamado de “O Pacificador”, concedeu ao capitão Furtado de Mendonça, um dos comandantes das tropas do bandeirante paulista Domingos Jorge Velho, em troca da cabeça de Zumbi. O guerreiro foi morto aos quarenta anos em uma emboscada em 20 de novembro de 1695, em seu último esconderijo, entrincheirado na mata fechada entre as serras da Barriga e Dois Irmãos, perseguido pelos antigos e longos caminhos que misturavam os territórios de Alagoas e Pernambuco.

28 de setembro de 1871 – Lei do Ventre Livre prepara fim da escravidão no Brasil

A Lei do Ventre Livre, apresentada pelo gabinete do conservador José Maria da Silva Paranhos, o visconde do Rio Branco, tinha a intenção de garantir a transição gradual do sistema escravocrata para o de mão de obra livre e remunerada, a contragosto dos cafeicultores de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O texto determinava que filhos de escravas nascidos em cativeiro seriam considerados livres, mas deveriam permanecer até os oito anos de idade sob a tutela dos senhores, quando estes poderiam decidir se permaneceriam responsáveis por eles para usufruir gratuitamente do trabalho até a maioridade, na época aos 21 anos, ou se iriam entregá-los ao governo em troca de indenização em dinheiro.

13 de maio de 1888 – Lei Áurea marca fim da escravidão

Foram necessários quatro séculos e o sacrifício de muitas vidas até que o Brasil, finalmente, ficasse livre da escravidão institucionalizada. Inicialmente rejeitada por proprietários rurais, em particular pelos fazendeiros de café, a Lei Áurea, no 3.353, sancionada no Paço Imperial pela princesa Isabel, na ausência do pai, dom Pedro II, foi precedida de outras quatro, representando a lenta evolução da legislação brasileira. Ainda assim, a abolição da escravatura no país procurou atender a pressões comerciais inglesas e não apenas questões humanitárias.

22 de novembro de 1910 – Revolta da Chibata contra escravidão a bordo

Tripla jornada de trabalho, comida ruim e chibatadas. Comuns nas senzalas, os castigos aos afrodescendentes não cessaram com a publicação da Lei Áurea. No Brasil, o último país republicano a acabar com a escravidão, os maus-tratos se repetiam no dia a dia em quartéis e navios da Marinha. Escravos libertos ou filhos de ex-cativos, os tripulantes subalternos, negros e mestiços na maioria, eram submetidos a longos períodos de serviço militar nos primeiros anos da Primeira República, comandados por oficiais brancos. Reunidos clandestinamente nos cantos e porões das embarcações ou nos bares do cais, os marinheiros do Rio de Janeiro passaram a aglutinar forças e articularam apoio para planejar uma reação. Flagrado com bebida alcoólica a bordo, o marinheiro Marcelino Rodrigues Menezes foi preso pela Marinha, e agrediu o cabo que o denunciou. A punição imposta a ele, 250 chibatadas diante de toda a tripulação, foi o estopim da revolta. Por volta das dez da noite do dia 22 de novembro, um grupo rendeu e matou o comandante Batista das Neves a tiros e coronhadas, o mesmo destino que tiveram os três outros oficiais da embarcação. Inclusive aquele que chicoteou Menezes. Pelo menos a metade dos 4 mil homens embarcados participaram do motim que aconteceu até 27 de novembro e exigia o fim dos castigos corporais, melhor alimentação e condições de trabalho, além da anistia aos revoltosos.

23 de julho de 1993 – Chacina da Candelária

Negros, pobres e jovens – seis ainda adolescentes, quase crianças. Este era o perfil das oito vítimas da chacina da Candelária, assassinadas a tiros enquanto dormiam praticamente amontoadas para se esconder do frio de julho, no centro histórico do Rio de Janeiro. Quatro morreram ali mesmo, na escadaria da igreja, um caiu sem vida ao tentar correr, dois foram levados de carro pelos criminosos até o aterro do Flamengo e lá executados, e um morreu no hospital alguns dias depois. Os assassinos eram policiais militares. O massacre ocorreu em 23 de julho de 1993. Pouco antes da meia-noite, dois carros com as placas cobertas pararam diante da Candelária. Em seguida, os ocupantes atiraram contra mais de cinquenta pessoas, a maioria crianças e adolescentes. Uma cruz de madeira, posteriormente fincada no jardim da igreja, no local do crime, tirou do anonimato Paulo Roberto de Oliveira, 11 anos; Anderson de Oliveira Pereira, 13; Marcelo Cândido de Jesus, 14; Valdevino Miguel de Almeida, 14; “Gambazinho”, 17; Leandro Santos da Conceição, 17; Paulo José da Silva, 18; e Marcos Antônio Alves da Silva, 19.

TRF-4 aceita pedido de exoneração de Sérgio Moro

A exoneração do juiz federal Sérgio Moro foi assinada nesta sexta-feira (16) pelo presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), o desembargador federal Thompson Flores. O ato entra em vigência a partir de segunda-feira (19).

O juiz federal deixará o cargo para chefiar o Ministério da Justiça e Segurança Pública a partir de 2019, no governo de Jair Bolsonaro. Sergio Moro era responsável pelos processos da Lava Jato em 1º instância. A juíza Gabriela Hardt já assumiu a vaga temporariamente, tendo, inclusive, interrogado o ex-presidente Lula nesta semana no caso do sítio de Atibaia.

No pedido que fez ao tribunal, Moro justificou o pedido de exoneração antecipado por já estar participando do planejamento das futuras ações do governo de Bolsonaro.

Após a exoneração de Moro, deverá ser publicado um edital para concurso interno entre os magistrados que integram a 4ª região da Justiça Federal. No total, 232 juízes de Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná podem substituir Moro na 13ª Vara Federal em Curitiba.

Eleição da OAB Caruaru será em novo local

Na próxima segunda-feira (19) os advogados da subsecção de Caruaru vão eleger o novo presidente da Ordem para o triênio 2019/2021.

Concorrem para a função de presidente os advogados Fernando Júnior, da chapa de situação e Artur Ramos, pela oposição.

Os advogados também escolherão o novo presidente para a OAB Pernambuco, que nessa eleição terá chapa única encabeçada por Bruno Batista.

Cerca de 1.300 Advogados estão aptos a votar nas 4 urnas que serão disponibilizadas. Segundo a Comissão eleitoral da OAB-PE, a escolha da APCEF para o local de votação esse ano, se deu visando maior conforto e comodidade aos eleitores, evitando os contratempos ocorridos na eleição de 2015, quando o pleito foi realizado no Fórum Estadual.

A votação ocorre de 9h às 17h.

Caruaru conta com 19 médicos cubanos

Com a decisão do governo de Cuba em não aceitar a proposta do presidente eleito Jair Bolsonaro e retirar os profissionais do programa Mais Médicos, a cidade de Caruaru perderá 19 médicos.

Os profissionais atuam em Unidades de Saúde da Família, nas zonas urbana e rural. A prefeitura de Caruaru ainda não se pronunciou sobre o assunto e na semana que vem deve opinar sobre o caso.

Em Caruaru, os cubanos foram para os locais onde os médicos brasileiros tinham dificuldade em aceitar os contratos com a prefeitura.