Artigo – São João de Caruaru, um grito de alerta. Parte 2 – por professor Alberes Silva*

Na semana passada, neste blog, abordei algumas questões sobre a agonizante situação da identidade cultural do São João de Caruaru, e nesta semana retomarei o tema pela complexidade e urgência em levantar aspectos que estão deformando a nossa identidade.

Início por um relato de experiência, no último sábado, saí com a esposa e filha para a estação e o Pátio do Forró e entre outras coisas tivemos uma grande dificuldade para encontrar uma barraca minimamente organizada, que oferecesse as iguarias da época, por incrível que pareça, é mais fácil encontrar qualquer tipo de hambúrguer do que encontrar pamonha ou canjica.

As estruturas metálicas nos aproximam a um ambiente frio e sem vida. A identidade visual que pouco ou nada ter a ver com a história dos nossos festejos, senti-me desterritorializado na minha própria cidade.

Discutir a grade de programação se tornou banal e há pelo menos uma década e meia às atrações completamente fora de um contexto cultural tomaram conta. A minha preocupação se dá no tocante a uma perspectiva em médio prazo do que poderá ser o nosso São João, que cada vez mais tem um teor privado do que popular. As iniciativas de descentralização levando os festejos para as zonas rurais e o incentivo às comidas gigantes nos mostra que o “pulso ainda pulsa”.

O nosso São João virou um evento que se pensa 11 meses para a execução de “30 dias”, como que na preservação cultural deveria ser o contrário, a prioridade cultural é também um retrato dos nossos governantes em todas as esferas, o que importa é público e dinheiro, isso lembra um pouco da política do pão e circo da Roma Antiga.

Preocupo-me muito com nossas raízes culturais, não sendo fundamentalista, mas de forma alguma em nome do discurso falacioso aceitarei ver a nossa identidade sendo perdida em nome de um pensamento meramente econômico ou naturalizar a afirmação que “é isso que o jovem gosta”.

Estamos perdendo a luta cultural da musicalidade, amanhã poderá ser as nossas fogueiras, depois nossas comidas típicas e quando menos esperarmos estaremos nos perdendo de nós mesmo, culturalmente falando.

*Alberes Silva é professor

Segunda Turma do STF marca julgamento de Gleisi Hoffmann para a próxima terça (19)

Do G1

A segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) julgará no dia 19 de junho ação penal que decidirá se a presidente do Partido dos Trabalhadores e senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, serão condenados ou absolvidos na Operação Lava Jato.

Também será julgado o empresário Ernesto Kugler Rodrigues, ligado ao casal.

Na semana passada, o ministro Celso de Mello, revisor da Lava Jato, liberou o caso para julgamento, e o tema foi marcado pelo presidente da turma, ministro Ricardo Lewandoski.

Segundo a acusação, os três, “agindo de modo livre, consciente e voluntário”, pediram e receberam R$ 1 milhão desviados do esquema de corrupção que atuava na Petrobras. O dinheiro teria sido direcionado para campanha eleitoral de Gleisi em quatro parcelas de R$ 250 mil.

O repasse teria sido realizado, segundo a PGR, através de empresas de fachada do doleiro Alberto Youssef contratadas pela Petrobras a firmas de Rodrigues.

Ainda segundo a PGR, os recursos foram liberados pelo ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa, cujo objetivo seria obter apoio político de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo para se manter no cargo.

Estudantes de Caruaru desenvolvem aplicativo para ser usado na Fenearte

O Governador Paulo Câmara e a Primeira Dama Ana Luiza receberam hoje no Palácio do Campo das Princesas um grupo de 17 estudantes da Escola Técnica Estadual de Caruaru, que o socialista inaugurou no ano passado, junto com professor e gestora da Escola, para apresentar o Aplicativo para celular que vai ser utilizado na Fenearte.

O mesmo foi desenvolvido por eles e será o oficial do Governo do Estado. Eles também apresentaram um aplicativo que eles desenvolveram para o São João de Caruaru. “Estudantes excelentes e diferenciados, mostrando porque Pernambuco tem a melhor Educação Pública do Brasil. Muito orgulho”, disse o professor Paulo Henrique.

Artigo – A pujança do comércio de Caruaru – por Pedro Holanda*

Já não há mais dúvida, Caruaru é um centro econômico e cultural fundamental na dinâmica do desenvolvimento de Pernambuco e, também, do Nordeste. O que mais chama atenção, para além do seu PIB, é que estando em um espaço geográfico adverso, Caruaru prosperou.

Diante dos mais importantes indicadores socioeconômico, evidencia-se a trajetória de prosperidade que Caruaru percorreu nas últimas décadas. A partir dos dados do PNUD de 2010(mais atual), Caruaru possui um IDH(Índice de Desenvolvimento Humano) de 0,677, em 2010. Quando comparado ao ano de 1991, que era torno de 0,481, nota-se uma significativa taxa de crescimento de 40% em duas décados. Esse resultado é muito significativo, pois tecnicamente o município possui um alto indicador de desenvolvimento.

É surpreendente ainda, ver que a pobreza entre 1991 a 2010 diminuiu, passando de 39%(1991) para 16,31%(2010) de pessoas que viviam na pobreza. Uma diminuição de 50%. Dado que já deverá ter diminuído ainda mais no próximo censo do IBGE, a ser realizado em 2020.

Uma economia com PIB per capita(R$ 17.627) superior ao estado de Pernambuco(R$ 16.795) e à própria região agreste(R$ 12.110). Estando entre os 26 municípios que compõe o agreste central, o PIB de Caruaru representa 44% do total. Portanto, Caruaru é a força motriz do dinamismo econômico regional.

Porém, é comum o crédito desta prosperidade às políticas públicas e gestões governamentais. Contudo, à luz da história da cidade e através de princípios básicos da ciência econômica, é possível desmistificar tal conclusão. O desenvolvimento regional e todas as suas consequências sociais, tem fundamento na característica protagonista e empreendedora dos seus cidadãos, empresários, industriais, agricultores, trabalhadores, educadores, artistas e emigrantes que deixaram sua contribuição. Pois é em um ambiente favorável à livre iniciativa e, que possua em suas características sociais as relações capitalistas, que o desenvolvimento se efetua.

Caruaru não é a única, a própria história da humanidade apresenta fatos semelhantes, de elevado desenvolvimento, não por uma coordenação de política central, mas por um ordenamento espontâneo dos indivíduos. É o caso da revolução industrial na europa, da quebra de castas na Índia, e da superação dos países do leste asiático.

O valor desta prosperidade está nos fundamentos capitalistas, da propriedade privada, do trabalho, da poupança, e do investimento. Somados à livre-iniciativa, fez-se a Capital do Agreste.

Antes do virtuoso comércio, da rede de fabricos de confecção e da potencial indústria, Caruaru já mostrava-se apta ao progresso econômico. Ainda em 1895 a cidade receberia um grande investimento, a estrada de ferro, trazida pela firma inglesa, Great Western. Nesta época Caruaru exportava para o Recife uma grande quantidade de solas, couros, algodão, queijo, feijão, além de realizar uma das maiores feiras de gado da região.

Na década de 1900, temos o que seria a primeira empresa de fornecimento de energia elétrica, companhia Vasconcelos & Cia. Cabe ainda, o importante projeto de iniciativa privada, dado a escassez de água da região. Após tentativas sem resultados, por falta de condições financeiras do poder público local, o industrial, Antônio menino, cria em 1920, um simples sistema de abastecimento de água, porém eficaz.

A própria riqueza cultural do município, hoje um grande ativo econômico, tem sua origem na iniciativa de homens e mulheres, que em razão de seus interesses, protagonizaram os elementos fundamentais do patrimônio cultural. São as artes do mestre Vitalino, o protagonismo das irmãs Lyra nas festa juninas, entre outros, que de forma espontânea contribuíram para a marca da Cidade.

Embora novos desafios já se mostram à frente do município, o próprio crescimento populacional, advindo do crescimento econômico, que exige melhorias urbanísticas, serviços básicos de infraestrutura, que competem ao setor público. Além dos desafios econômicos trazidos pelo própria concorrência, desta vez internacional, com a expansão de mercados asiáticos de maior produtividade industrial. Isto expõe a necessidade de diversificação da produção, dos investimentos intensivos em produtividade e a percepção empreendedora de aderir às novas oportunidades de negócios.

Com isso, os valores sociais de livre iniciativa devem estar em evidência como alicerce do desenvolvimento local e regional. Já que são os indivíduos os principais responsáveis pelo desenvolvimento da sociedade, que inovam, geram riqueza social, e acabam facilitando a vida cotidiana.

“Não é da benevolência do açougueiro, do cervejeiro e do padeiro que esperamos o nosso jantar, mas da consideração que ele têm pelos próprios interesses. Apelamos não à humanidade, mas ao amor-próprio, e nunca falamos de nossas necessidades, mas das vantagens que eles podem obter.” Adam Smith – Economista e filósofo clássico inglês.

*Pedro Holanda é economista

MPCO consegue cautelar para suspensão de contrato sem licitação da Prefeitura de Jaqueira com escritório de advocacia

A pedido da procuradora geral do Ministério Público de Contas de Pernambuco (MPCO), Germana Laureano, o conselheiro Ranilson Ramos expediu Medida Cautelar, determinando liminarmente ao prefeito do município de Jaqueira, Marivaldo Silva de Andrade, que se abstenha de dar seguimento ao contrato decorrente do processo de Inexigibilidade 002/2018, celebrado com o escritório “Dias, Rezende & Alencar Advocacia”, particularmente no que diz respeito a pagamentos.

O prefeito contratou este escritório para prestação de serviços de assessoramento e consultoria jurídica, especialmente no exame de questões tributárias e fiscais “de maior complexidade”, autorizando que o pagamento fosse feito pela retenção do valor do contrato na conta do ICMS do município na Caixa Econômica federal.

DESNECESSIDADE – De acordo com os argumentos do MPCO, vários são os motivos que tornam essa contratação desnecessária, a saber:

a) a prefeitura de Jaqueira possui na sua estrutura administrativa uma Procuradoria Jurídica, com um procurador-geral e um adjunto;

b) a contratação direta, via inexigibilidade, para realizar serviços jurídicos corriqueiros, afronta a Lei das Licitações e os julgados do TCE;

c) Os serviços a serem prestados que constam no contrato são de “caráter rotineiro generalista”, como, por exemplo, “prestar assessoramento jurídico à administração municipal no exame de questões fiscais, com orientação e acompanhamento das ações do Departamento Municipal de Arrecadação, com emissão de parecer e elaboração de minutas e atos administrativos”;

d) prova do “caráter rotineiro” dos serviços é a cláusula do contrato segundo a qual “os serviços deverão ser prestados através de visitas semanais na sede da prefeitura e de assistência diária em tempo integral, na sede da empresa, para efeito de assessoria e consultoria contínuas”;

e) o serviço técnico contratado não se reveste de natureza singular, pois tem como objeto o “dia a dia” de qualquer prefeitura;

f) o município de Jaqueira possui menos de 12 mil habitantes e, a princípio, não teria a necessidade de contar com um expressivo número de advogados à sua disposição;

g) essa contratação enseja “grave risco de prejuízo ao erário” em razão de pagamento em duplicidade, ou seja, ao escritório e aos procuradores municipais, pela realização dos mesmos serviços;

h) É flagrantemente inconstitucional a cláusula do contrato que instrui o prefeito à enviar ofício à Caixa Econômica autorizando reter da conta do ICMS o valor a ser pago ao escritório de advocacia, variando de 10% a 15% do benefício financeiro auferido pelo município, dependendo da natureza do processo;

i) foi o próprio escritório que enviou e-mail à prefeitura instruindo o prefeito a seguir, passo a passo, o caminho para a inexigibilidade de contratação.

Com base nesses argumentos, o Ministério Público de Contas requereu ao gabinete do conselheiro a expedição da Cautelar para que a prefeitura se abstenha de fazer qualquer pagamento ao escritório.

Manoel Santos é o novo presidente do Sindloja

Terminou na tarde desta terça-feira (12) a apuração da eleição do Sindloja Caruaru. Por 204 votos a 135 o empresário Manoel Santos, da Chapa o Sindloja é você, é o novo presidente do Sindicato dos Lojistas. Ele venceu a chapa de Marcilio Sales.

O mandato é de quatro anos e a posse ainda será marcada. Mais detalhes em instantes no Blog.

Prefeitura libera segundo trecho do acesso à Vila Andorinha

Dando seqüência às obras de pavimentação do acesso à Vila Andorinha, foi liberado, para o tráfego de veículos, o segundo trecho das obras, o que corresponde a 880m de pavimento finalizado, somente nesta área. Ao todo, até o momento, 84% das execuções já foram concluídas e entregues à população.

As obras seguem em ritmo acelerado. O terceiro trecho já foi iniciado, com previsão de término até o início de agosto, finalizando as obras de pavimentação da localidade. Além da pavimentação, o projeto consiste na iluminação de todo o acesso, beneficiando mais de 7500 famílias.

Três comidas gigantes esta semana em Caruaru

Nesta quarta-feira (13), os moradores da Rua Barão de Itamaracá, localizada no bairro Indianópolis, preparam-se para receber o Bolo de Milho Gigante, realizado há 17 anos. Nesta edição, a iguaria será produzida com 1200 ovos, 60 quilos de farinha de trigo, 45 caixas de mistura para bolo, 60 quilos de margarina e 120 litros de leite.

O festival de comidas gigantes ganha continuidade na quinta-feira (14), com a realização do Maior Caldinho do Mundo. Desde o seu primeiro ano de realização, em 2013, a festa passou a fazer parte do calendário das comidas gigantes no Maior e Melhor São João do Mundo, atraindo caruaruenses de todos os bairros e milhares de turistas que vêm em busca de um pouco do caldinho tão típico e característico da culinária do nosso Estado.

Este ano, a expectativa é que a festa atraia entre 12 e 15 mil pessoas, que aproveitam os mais de mil litros de caldinho, que envolve 20 pessoas em sua preparação, entre cozinheiros, bombeiros civis, equipe para montagem da estrutura do evento, entre outros. O evento é organizado pelo vereador Tafarel e vai ocorrer na Academia das Cidades do bairro São João da Escócia, a partir das 19h. A festa contará com atrações musicais que prometem animar o público.

E não para por aí! No mesmo dia, também haverá a Maior Dobradinha do Mundo, que já ocorre há sete anos e é realizada na Rua Maria da Boa Vista, no bairro Boa Vista II, a partir das 20h. Em sua sétima edição, a Dobradinha Gigante é feita com feijão branco, charque, paio, bacon, buço e calabresa. O prato é preparado pelos moradores do bairro e leva em torno de três dias para ficar pronto. A festa é organizada por Augusto Eventos e também contará com a animação de bandas que prometem muito forró para mais uma noite junina.

PF faz buscas em endereços da deputada Cristiane Brasil

Da IstoÉ

Entre os locais vasculhados na manhã desta terça-feira, 12, pela Polícia Federal (PF), na segunda fase da Operação Espúrio, segundo apurou o Broadcast, estão o gabinete, o apartamento funcional e um endereço no Rio de Janeiro da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ).

Os policiais cumprem três mandados de busca e apreensão, expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em Brasília e Rio. A operação mira em suposta organização criminosa que investigada concessão fraudulenta de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho.

Cristiane é filha do presidente do PTB Nacional, Roberto Jefferson, que também é alvo da Registro Espúrio. Pivô do escândalo do Mensalão do PT, o ex-deputado pelo Rio de Janeiro também teve seus endereços vasculhados pela PF na primeira fase da operação.

A deputada chegou a ser cotada para o cargo de ministra da pasta. No entanto, diversas decisões da Justiça Federal e uma liminar da presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, suspenderam sua posse. O governo acabou desistindo de seu nome para o cargo.

Além de Jefferson, foram alvo busca na primeira fase da Registro Espúrio os gabinetes dos deputados Jovair Arantes (PTB), Paulinho da Força (Solidariedade) e Wilson Filho (PTB). A sede da Força Sindical também foi alvo da ação da PF. Todos são apontados como integrantes do núcleo político da suposta organização criminosa que atuava na pasta.

Armando e o governador vão jogar o jogo da paciência

Por Inaldo Sampaio

Como já se sabia, o senador Armando Monteiro foi lançado ontem como candidato a governador por uma frente de oposição, tendo o deputado Mendonça Filho como um de seus candidatos ao Senado. O vice e o segundo senador ainda estão indefinidos, o que significa dizer que o líder petebista vai para um jogo de paciência com o governador Paulo Câmara, que também está sem pressa para fechar a sua chapa.

Só há definidas até agora a candidatura dele à reeleição e a do deputado Jarbas Vasconcelos para uma das vagas no Senado. A estratégia de Armando aparentemente está correta. Vai esperar o fechamento da chapa seu do adversário para tentar atrair para o seu palanque os que eventualmente ficarem insatisfeitos.

Já se sabe, por exemplo, que não há como conciliar os interesses do deputado estadual André Ferreira (PSC) com os do deputado federal Eduardo da Fonte (PE).

Ambos pleiteiam a segunda vaga de senador na chapa da Frente Popular, mas só existe vaga para um, sendo que aquele que for excluído é um forte candidato a engrossar o bloco da oposição. André levaria um partido político (PSC), mais o prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PR), seu irmão, ao passo que Eduardo da Fonte levaria o PP, o PR, três deputados federais, 14 estaduais e 73 candidatos a uma cadeira na Assembleia Legislativa. É um jogo de paciência, que se prolongará até o mês de julho.