Brasil tem desafio de ampliar capacitação técnica profissional, diz Armando

armando

O segundo lugar geral conquistado pelo Brasil na maior competição de profissões técnicas do mundo, a Word Skill, confirma o país na elite da educação profissional. Os nossos competidores demonstraram, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, entre os dias 15 e 18 de outubro, habilidades em diversas áreas profissionais, como mecatrônica, polimecânica e automação, manutenção industrial, marcenaria e tecnologia da moda, entre outros.

Mas a equipe brasileira que disputou o mundial pouco vai poder fazer em outra “competição” que o país precisa enfrentar no campo das profissões. É que, de acordo com o Mapa da Indústria 2017-2020, elaborado pelo Senai, o Brasil vai precisar capacitar 13 milhões de técnicos profissionais para suprirem as necessidades das indústrias nacionais nos próximos quatro anos.
Ou seja, os governos Federal e Estaduais vão ter de aumentar os investimentos no ensino técnico profissional sob o risco de, no futuro próximo, terem de enfrentar uma desaceleração do crescimento econômico causada por falta de mão-de-obra qualificada no mercado.

Para o senador Armando Monteiro, líder do PTB no Senado, os alunos do ensino médio precisam ter acesso às profissões técnicas em todas as escolas. Ele explica que o investimento público na profissionalização da população pode garantir à sociedade possibilidades de crescimento, de acesso a melhores oportunidades de trabalho e tornar o país competitivo no mercado internacional, por exemplo. “Na medida em que se conecte o ensino médio ao ensino técnico, se garante um retorno efetivo para a sociedade e a possibilidade de que o Brasil possa enfrentar o desafio de promover e desenvolver competências nesse mundo, cada vez mais integrado, e onde a indústria, especialmente, está submetida a um processo de grande competição em escala global”.

De acordo com a pesquisa Escassez de Talentos, mais de 60% das indústrias do país têm dificuldades de achar profissionais capacitados no mercado para preencherem vagas técnicas essenciais para o funcionamento das firmas. O senador Armando Monteiro ressalta que o Brasil tem todas as condições de promover o crescimento econômico, do emprego e da qualidade de vida, desde que, promova o aumento da formação profissional entre a população.

“A experiência do mundo demonstra que o elemento essencial, o fator essencial do desenvolvimento é a qualidade do capital humano, da sua capacitação, habilitação. Há países que não dispõem de recursos naturais, mas estão aí no topo da economia mundial. O Brasil é um país que dispõe de recursos naturais e também dispõe de grande capacidade. No entanto, nós temos o desafio de ampliar e de fortalecer esse esforço”.

Nos Emirados Árabes Unidos, a equipe brasileira que disputou o mundial de profissões técnicas conquistou, ao todo, 15 medalhas, sendo sete de ouro, cinco de prata e três de bronze. O time brasileiro contou com 56 técnicos profissionais. Destes, 51 são de alunos e ex-alunos do Senai e cinco do Senac.