OAB desagravará nesta terça dois advogados que tiveram suas prerrogativas violadas

Ronnie-Duarte-foto-Mariana-Santos

O presidente da OAB-PE, Ronnie Duarte, presidirá nesta terça-feira (9), às 10h, a sessão de desagravo público em defesa de dois advogados que tiveram suas prerrogativas profissionais violadas.

A sessão ocorrerá na sede da Corregedoria da Secretaria de Defesa Social, na Avenida Conde da Boa Vista, 428, bairro da Boa Vista, área central do Recife.

Os desagravos foram aprovados por unanimidade em sessões do Conselho Pleno da instituição.

O primeiro será em favor da advogada Mariselma Aleixo de Moraes, que recebeu voz de prisão na Corregedoria por suposto crime de desobediência e desacato.

O segundo será em favor de André Luiz Caúla Reis, que teve o seu sigilo profissional quebrado ao ser vítima de escuta telefônica, sem autorização judicial.

Artigo – Lula não pode ser condenado pela pós-verdade – Por *Sílvio Costa

Em 2016, o dicionário Oxford – um dos mais respeitados do mundo no catálogo de novas palavras – escolheu “pós-verdade” como a palavra do ano.

“Pós-verdade” é uma palavra onde a convicção substitui a verdade, onde aquilo em que as pessoas acreditam atropela os fatos.

Não acredito que o juiz Sérgio Moro condene o ex-presidente Lula utilizando-se da “pós-verdade”. Na próxima quarta-feira (10), o ex-presidente Lula e Sérgio Moro estarão frente a frente e o Brasil inteiro tomará conhecimento deste depoimento.

A Constituição da República diz que para uma cidadã ou um cidadão brasileiro ser condenado é preciso que exista a materialidade do crime. Nesta audiência, o ex-presidente Lula será ouvido sobre o processo do tríplex do Guarujá.

Um imóvel que o próprio delator, o empresário Léo Pinheiro, já declarou – em audiência ao juiz Sérgio Moro – que esse apartamento é de propriedade da OAS. Inclusive, ele já foi dado como garantia em operações financeiras realizadas pela construtora.

Portanto, o apartamento não pertence ao ex-presidente Lula. Porém, os adeptos da “pós-verdade” já concluíram que o imóvel pertence ao ex-presidente, e tornam letra morta o que a Constituição da República diz.

Custa-me acreditar que o juiz Sérgio Moro, que está prestando um grande serviço ao país, vá utilizar-se de convicções, de opiniões, e atropele a Constituição do Brasil. O juiz Sérgio Moro não vai seguir a “pós-verdade”.

Como num clássico de futebol, existem torcedores dos dois lados. Entretanto, o magistrado Sérgio Moro sabe que o “grande juiz é aquele que não aparece para a torcida”.

*Sílvio Costa é deputado federal e vice-líder da Oposição na Câmara dos Deputados.