Artigo – Primeiro Mês – Um tempo para cada coisa acontecer – Por Paulo Nailson*

Ao ser eleita, Raquel definiu prioridades e assumiu compromissos com a população como um todo. Neste período inicial de ajustes na administração pública, processo natural devido a troca de gestores para nova composição, é preciso compreender que os encaixes não são tão fáceis, até pelo fato do necessário tempo para uma observação mais apurada do quadro encontrado.
O desafio para uma nova gestão é bem maior do que se possa imaginar. São quatro anos, que podem ser renováveis por mais quatro, para promover reparos sobre omissões centenárias. Por isso esse primeiro trimestre é fundamental para colocar cada peça no lugar e, em alguns casos, descartar as que julgar necessário, seja por identificar inadequação ao seu jeito de gerir ou por desalinhamento político.

Os vereadores precisam exercer seu papel de legislar e fiscalizar, não sendo mera correia de transmissão do executivo, porém visando sempre o bem comum, e a oposição ter uma pauta inteligente. Ainda assim ela deve contar com uma base de apoio robusta na Câmara Municipal, já identificada que será comandada pelo vereador Leonardo Chaves, e o amplo apoio popular de quem viu em sua candidatura jovem junto com Rodrigo uma brecha para mudanças.

Ainda em outubro do ano passado, ela afirmou: “Vamos fazer um trabalho inovador, que vai nos ajudar a mudar a forma de enxergar a nossa cultura dando visibilidade a ela, não só para Caruaru, mas para o Brasil inteiro”, isso no histórico encontro com artistas que lotou o teatro João Lyra, sinalizando desde lá que ela compreende o acesso à cultura como um direito básico de cidadania, assim como o direito à educação, à saúde, à vida num meio ambiente saudável.
Busca agora trazer para o mundo tangível a tarefa de unir a todos para executar o prometido. Que avive o velho e atice o novo. Numa dialética permanente entre a tradição e a invenção, nessa encruzilhada de matrizes milenares e informações e tecnologias de ponta.

Há um tripé a ser completado que é conciliar na equipe a eficiência técnica com a sensibilidade humana e a necessária composição política.
Os problemas existem, alguns são graves e outros ainda aparecerão. Que sejam corajosamente encarados e sabiamente enfrentados. E que todos os seus colaboradores tenham a mesma visão ou a decência de não atrapalhar.
Enfim, a expectativa é ao final de seu mandato uma cidade mais humana, mais respeitável e mais suportável para cerca de 350 mil pessoas viverem em sanidade.

*Paulo Nailson de Almeida Lima
É colaborador